Variante do covid-19 da Índia é muito resistente; droga com anticorpos impede agravamento da doença em 85% dos casos

Pacientes em uso de imunossupressores devem estar cientes de que podem não estar totalmente protegidos contra covid, mesmo vacinados, diz estudo

Reuters / Danish Siddiqui
Credit...Reuters / Danish Siddiqui

A seguir, um resumo de alguns dos estudos científicos mais recentes sobre o novo coronavírus e os esforços para encontrar tratamentos e vacinas para covid-19, a doença causada pelo vírus.

Variante da Índia mostra muita resistência 

Os medicamentos com anticorpos e vacinas covid-19 são menos eficazes contra uma variante do coronavírus que foi detectada pela primeira vez na Índia, de acordo com os pesquisadores. A variante, conhecida como B.1.617.2, possui mutações que a tornam mais transmissível. Hoje é predominante em algumas partes da Índia e se espalhou para muitos outros países. Uma equipe multicêntrica de cientistas na França estudou uma variante B.1.617.2 isolada de um viajante voltando da Índia. Em comparação com a variante B.1.1.7 identificada pela primeira vez na Grã-Bretanha, a variante da Índia era mais resistente a drogas com anticorpos, embora três drogas atualmente aprovadas ainda permaneçam eficazes contra ela, eles descobriram.

Os anticorpos no sangue de sobreviventes não vacinados de covid-19 e de pessoas que receberam ambas as doses da vacina Pfizer / BioNTech foram de 3 a 6 vezes menos potentes contra a variante da Índia do que contra a variante do Reino Unido e uma variante identificada pela primeira vez na África do Sul, de acordo com um relatório publicado nessa quinta-feira (27) no site bioRxiv antes da revisão por outros cientistas.

A vacina de duas doses AstraZeneca, que não protege contra a variante da África do Sul, provavelmente também é ineficaz contra a variante da Índia. Os anticorpos de pessoas que receberam sua primeira dose "quase não inibiram" essa variante indiana, disse o coautor do estudo, Olivier Schwartz, do Institut Pasteur. O estudo, acrescentou Schwartz, mostra que a rápida disseminação da variante da Índia está associada à sua capacidade de "escapar" do efeito dos anticorpos neutralizantes. (provavelmente também será ineficaz contra a variante da Índia.

Os anticorpos de pessoas que receberam sua primeira dose "quase não inibiram" essa variante indiana, disse o coautor do estudo, Olivier Schwartz, do Institut Pasteur. O estudo, acrescentou Schwartz, mostra que a rápida disseminação da variante da Índia está associada à sua capacidade de "escapar" do efeito dos anticorpos neutralizantes. ( provavelmente também será ineficaz contra a variante da Índia.

Nova droga impede covid leve de piorar

Uma droga de anticorpos da Vir Biotechnology (VIR.O) e GlaxoSmithKline (GSK.L) que protege contra a progressão de covid-19 em pacientes de alto risco com doença leve a moderada recebeu autorização de uso de emergência pela Food and Drug Administration dos EUA na quarta-feira (26). Em um grande estudo randomizado, o risco do paciente de progressão para uma doença mais grave foi reduzido em 85% com o medicamento sotrovimabe, em comparação com um placebo, de acordo com um relatório provisório do estudo publicado nessa sexta-feira (28) no site medRxiv.

Todos no estudo tinham fatores de risco para covid-19 grave, como doenças cardíacas, diabetes, obesidade e velhice. Três dos 291 pacientes (1%) no grupo do sotrovimab ficaram doentes o suficiente para serem hospitalizados, contra 21 dos 292 (7%) no grupo do placebo, disseram os pesquisadores. Todos os cinco pacientes que precisaram ser internados na terapia intensiva receberam placebo. 

Complicações graves foram menos comuns com sotrovimab do que com placebo. O tratamento com anticorpos estará disponível para pacientes com covid-19 nas próximas semanas, disseram GSK e Vir na quarta-feira (26).

Drogas para doenças musculares e articulares podem limitar a resposta à vacina

As vacinas covid-19 da Pfizer / BioNTech e Moderna podem ser menos eficazes em pacientes que tomam medicamentos imunossupressores para doenças reumáticas e músculo-esqueléticas, disseram os pesquisadores. "Embora pesquisas adicionais sejam necessárias, os pacientes em uso de imunossupressores devem estar cientes de que podem não estar totalmente protegidos contra covid, mesmo após a vacinação completa. Portanto, os pacientes devem tomar precauções", disse a Dra. Julie Paik, da Escola da Universidade Johns Hopkins de Medicina em Baltimore.

Em um estudo anterior, sua equipe descobriu que a maioria dos pacientes com doenças reumáticas e musculoesqueléticas respondem adequadamente às vacinas. Observando mais de perto 20 pessoas cujo sistema imunológico não respondeu bem - ou seja, nenhum anticorpo foi detectado após a vacinação -, os pesquisadores descobriram que a maioria estava recebendo vários agentes imunossupressores. "Um fator unificador" entre os pacientes estava o uso de medicamentos como rituximabe e micofenolato mofetil, que afetam as células imunes chamadas linfócitos que produzem anticorpos e ajudam a controlar as respostas imunológicas, relataram os pesquisadores na segunda-feira (24) no jornal "Annals of Internal Medicine". "Nosso estudo destaca a necessidade de médicos e pacientes estarem cientes de que os imunossupressores podem prevenir uma resposta apropriada da vacina contra a Sars-Cov-2", disse Paik.

Resposta imune robusta e coordenada

Em pacientes com covid-19 que não ficam gravemente doentes, o sistema imunológico reage ao vírus "fortemente", com uma resposta altamente coordenada, e essa coordenação pode ser a chave para garantir uma doença leve, de acordo com os pesquisadores. Estudos detalhados do comportamento do sistema imunológico em pacientes com covid-19 se concentraram principalmente naqueles com doença moderada ou grave e encontraram respostas imunológicas "descoordenadas". O novo estudo, publicado na quarta-feira (26) no site bioRxiv, "usou métodos de ponta para estudar profundamente as células do sistema imunológico" em 18 pacientes com apenas doenças leves, disse o coautor do estudo Greg Szeto, do Allen Institute for Immunology, em Seattle. 

Nesses voluntários levemente enfermos, quanto mais intensa a resposta imunológica no início da infecção, maiores serão os níveis de anticorpos em seu sangue após a recuperação, a equipe de pesquisa multicêntrica descobriu. E em comparação com os participantes que se recuperaram, os participantes que apresentavam sintomas persistentes e incômodos - os chamados Long Covid - apresentaram respostas imunológicas mais fracas ao vírus no início da infecção, acrescentou Szeto.

As diferenças que o estudo encontrou entre pacientes com doenças leves que desenvolveram e não desenvolveram a doença mais grave podem ajudar os pesquisadores a criar formas mais personalizadas para monitorar as respostas imunológicas ao vírus e melhores métodos de tratamento, concluiu a equipe de Szeto.(com agência Reuters)