Calor e tempo firme nos primeiros dias de Agosto

.

Foto: arquivo
Credit...Foto: arquivo

Não há previsão de frio intenso com potencial para geadas, como ocorreu no mês passado, nestes primeiros dias de agosto. Pelo contrário, a previsão é de aumento do calor com máximas próximas dos 40°C sobre boa parte do Amazonas, Rondônia e Acre a partir da quinta-feira (5). A informação é do Climatempo.

Logo no início da próxima semana, as temperaturas também vão se aproximar, e até mesmo ficar na casa dos 40°C, também em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Tocantins e Goiás. 

O tempo vai permanecer seco na maior parte das Regiões Sudeste e Centro-Oeste. Atualmente, a umidade do solo está elevada e adequada para o desenvolvimento agrícola apenas na Região Sul, mas a tendência é de diminuição da umidade com a ausência de chuva nos próximos sete dias.

Aumento no número de queimadas e impacto na produção rural

A questão é que a vegetação e o ar já estão muito secos pela longa estiagem e pelas geadas que atingiram o centro e sul do Brasil. O aumento do calor e a diminuição da umidade do ar vão favorecer, e muito, o aumento nos índices de queimadas em todo o país, que já estão muito elevados se comparados a anos anteriores.

Além disso, o tempo seco afeta muito os produtores rurais, pois impacta diretamente nas plantações, e as consequências disso sempre chegam à população de uma forma ou de outra. A necessidade de irrigação nas lavouras, aumentará em um momento em que o nível dos reservatórios de água estão muito baixos. E mesmo quem tem água, faz as contas para saber se vale a pena a irrigação com o preço da energia elétrica tão elevado.

O sistema Cantareira está em estado de atenção!

Chuva se concentra na costa entre o Sudeste e Nordeste

A chuva mais intensa fica concentrada apenas ao longo da costa, desde o Sudeste até o Nordeste do país, e sobre o norte da Região Norte nesta semana, com acumulados mais elevados desde o Espírito Santo até Roraima, passando pelo leste do Nordeste. Na próxima semana, a chuva retorna à Região Sul, sendo mais intensa sobre o centro e leste do Rio Grande do Sul.