JB no campo: A pedidos, o último capítulo sobre uma nova seleção

Já falamos aqui sobre a necessidade de uma seleção diferente para proteger pelo menos 4 milhões de empregos no Brasil. Uma seleção de pessoas que talvez não joguem futebol mas que seria muito reconhecida, um time para se dedicar à exportação de derivados de leite. Os recursos para montar este grupo já são despesas correntes de nossa máquina pública. Basta fazer ajustes, e convocar. Basta ter percepção da realidade brasileira e convocar. Basta fazermos algo que não seja mais uma tortura de “conselhos“, de grupos de trabalho que só começam a trabalhar depois de centenas de reuniões. Basta que queiramos.

Tudo é conhecido: para exportar derivados de leite precisamos começar a tentar fazer, começar a conversar, por e-mail, por telefone. Basta escalar centroavantes para estudar cada mercado, avaliar exigências, anotar, ter dedicação e objetivos para definir metas por mercado em 3 ou 4 anos. Tudo que for necessário deve ser feito concomitantemente, ao longo do processo de entender e abrir mercado em cada país, por pequenas frestas ou grandes acordos. Uma seleção de gente animada para vender derivados de leite pode ser tão efetiva para a economia quanto pode render reconhecimento e votos. É óbvio! O óbvio perdeu o charme? Uma seleção para exportar pode tornar algumas pessoas profissionalmente reconhecidas, em poucos anos. Até o presidente ou presidenciáveis podem se beneficiar da iniciativa, de imediato. Os produtores de leite empregam muito e em quase todos os municípios do Brasil. A instituição de uma política pública para nos tornarmos exportador de leite pode ser bem divulgada e chega no momento correto desse triste ano eleitoral. Alguns produtores me perguntam se estou animado. Se essa demanda pode ser atendida? Se podemos começar logo? O que devemos fazer para exigir a implantação da medida. Podemos pedir a quem está no poder, a quem pretende continuar, a quem quer se tornar poderoso politicamente ,alguns a todo custo. 

Mas, não estou animado. Acredito que só teremos sucesso se tivermos algo ruidoso, de espírito de caminhoneiros. Uma providência eficaz só sairá do lugar se tivermos muitos milhares de assinaturas pedindo essa providência. Fiz teste com um simples formulário para um abaixo assinado em minha cidade. Deu muito certo. Se muita gente coletar 10 assinaturas e, em seguida, publicar em redes sociais, podemos ter maiores esperanças. Se Você quiser formulários, o e-mail está abaixo. Produtores de leite, vamos agir?