Opinião pública, opinião do público e opinião popular

É importante diferenciar as expressões opinião pública e opinião do público, posto que uma não se confunde com a outra, muito embora seja corrente, na linguística popular, a pseudossinonímia entre ambas.

Em essência, a primeira mencionada reflete a opinião publicada, divulgada e, portanto, formal, manipulada (ou, no mínimo, manipulável) por sua própria característica formalizante e continente, e, portanto, pode traduzir uma inverdade.

A segunda exspressão destacada neste artigo, ao contrário, possui o conteúdo (e não apenas o continente ou o envoltório da forma), a substância e, por que não dizer, o mérito do substrato último da genuína opinião, ainda que oculta, por não ser manifesta (e, por essa específica razão, não passível de qualquer tipo de distorção ou mesmo manipulação).

A opinião do público é, nesse aspecto, a opinião do próprio povo (transcendendo, assim, o simples conceito de opinião popular), diferentemente da opinião pública, que, na maioria dos casos, é simplesmente a opinião de algum indivíduo ou de algum setor específico da sociedade, em particular, interessado, única e exclusivamente, em legitimar (ou mesmo mascarar) a sua opinião particular, por meio da divulgação e, consequentemente, formalização (manipulada e distorcida) da opinião do público.

Nesse contexto analítico descrito até este momento, nunca é demais lembrar a visão de Max Weber, jurista e economista alemão, segundo a qual repetir uma mentira por diversas vezes resulta em transformá-la numa verdade, o que bem reflete a concepção da formação da opinião pública pelos chamados meios de comunicação de massa, mormente nos países cujo regime político democrático é meramente aparente ou formal. 

Portanto, se é fato conclusivo que a liberdade de informação é um dos pilares fundamentais da democracia, é igualmente importante consignar que essa não se confunde com a liberdade de opinião (típico do chamado “jornalismo opinativo”), ainda que essa última também seja – mesmo que reconhecidamente em menor expressão – aspecto basilar do regime democrático. Muitas vezes a verdade é menos importante que a versão que se deseja.

* Mestre e doutor em Direito; desembargador federal do TRF – 2ª Região; professor emérito da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército; professor honoris causa na Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica; diretor do Centro Cultural da Justiça Federal