80 anos do Menino de Engenho

O livro de estreia de José Lins do Rego completa, em 2012, oito décadas de existência. “Menino de engenho”, obra que deu início ao ciclo da cana-de-açúcar em sua obra, é um clássico da literatura brasileira. Imortal e um dos maiores escritores brasileiros, José Lins nasceu em 1901, na Paraíba.

“Menino de engenho” retrata dois momentos essenciais da vida do autor: cenas da sua infância e, também, da vida do seu avô, o coronel José Paulino, uma das figuras mais representativas da realidade patriarcal nordestina. O enredo, narrado em primeira pessoa, leva o leitor para dentro de um ambiente, no nordeste do país, de tristeza e decadência, trazendo à tona, principalmente, as questões sociais da época atreladas à sensibilidade notável e característica do escritor paraibano. A obra em questão inicia um ciclo, seguido por quatro outros livros, são eles: “Doidinho”, “Banguê”, “Usina” e “Fogo Morto”.

Em comemoração aos 80 anos do lançamento da obra, a José Olympio Editora, que pertence ao Grupo Editorial Record, está lançando um box para colecionadores contendo as cinco obras do ciclo da cana-de-açúcar de José Lins do Rego. Para além do ano comemorativo, são romances marcantes e fundamentais para a literatura nacional e que merecem, portanto, a leitura, e o reconhecimento de todos. “Menino de Engenho” é um inestimável retrato de uma época do nordeste, considerado o marco inicial de um novo romance moderno brasileiro e, com certeza, uma obra-prima do autêntico e inesquecível José Lins do Rego.

 

Antônio Campos - advogado, escritor, editor, membro da Academia Pernambucana de Letras e curador da Fliporto

[email protected]