O novo Cinema 

Em uma era fortemente digital, a grande premiação do ramo cinematográfico mundial surpreende e consagra o cinema velho. No último domingo (26), o filme O Artista foi o grande premiado da 84ª edição do Oscar. Das dez indicações, o longa metragem levou cinco estatuetas, sendo elas: melhor filme, ator, direção, figurino e trilha sonora. 

O filme, dirigido por Michel Hazanavicius, além de ser francês, fugindo, assim, dos estereótipos e da tradição dos filmes de língua inglesa presentes na grande noite do cinema, chamou a atenção de todos por retomar as características do velho cinema, mudo e filmado em preto e branco.

 Dessa maneira, o Oscar demarca um novo tempo, assim como o Globo de Ouro 2012, que também consagrou este filme. Em meio ao crescimento frenético das tecnologias que também englobam as produções cinematográficas, surge “O artista”, a história de um astro do cinema mudo, chamado George Valentin, interpretado por Jean Dujardin, que teme a chegada do cinema falado e a sua consequente queda artística, até se apaixonar pela musa do novo cinema, interpretada por Bérénice Bejo.

 A premiação do excêntrico e bem sucedido filme traz à tona a polêmica das indústrias contra os sites de compartilhamento. De um lado, a digitalização e globalização que cresce, espontaneamente, no mundo inteiro, do outro, as indústrias que sobrevivem da venda dessas informações, músicas, filmes, e demais arquivos que são colocados, gratuitamente, na rede. Um verdadeiro paradoxo do velho cinema que teme a chegada do novo cinema. Quando, na verdade, há espaço e consagração para ambos. O cinema digital chega para mostrar aos cinéfilos e amantes da 7ª arte novos mares para serem navegados e horizontes para expandir as nossas concepções, com direito a todo o luxo e estímulos sensoriais oferecidos pela alta tecnologia.

O novo cinema é, portanto, ilimitado: digital, velho, mudo, colorido, preto e branco, nem sempre de Hollywood. Trouxe graça e alegria para os franceses, e para o mundo inteiro, que celebra a união e o sucesso do antigo com o contemporâneo.