Chico Buarque: larari, larari, larari... Genial!

Chico Imperdível

Edu Lobo chegou com o filho, Bena, quando Chico já estava cantando a quarta música da noite. 

Não foi falta de consideração com o grande amigo. Ontem, sabe-se lá por quê, a descida de São Conrado, onde mora o compositor, para o Jardim Botânico, coisa que se faz em 10 minutos,  levava em média 50 minutos, o que dirá chegar ao Aterro do Flamengo. Chose de loque.

Seguinte: é imperdível o show do Chico. Que lotou o Vivo Rio, no domingo quentíssimo,  e que reunia em meio às centenas de ilustres desconhecidos, figuras carimbadas como a filha caçula do compositor, Luiza ( a cara da mamãe Marieta Severo) , comandando grande mesa; Kati Almeida Braga, eufórica com o sucesso de mais um dos seus Biscoitos Finos ( finésimo, aliás); o colunista da hora, Bruno Astuto; o colunista de sempre, Nelson Motta; o colunista de economia, George Vidor, sem a gravata borboleta, no gargarejo; o jornalista multimídia, Roberto d'Ávila; e, last but not least,  João Bosco, gênio da raça.

Plateia de Chico é plateia de Chico:  e aí, larari, larali, larali, larali... Uma plateia apaixonada como seu ídolo. Tudo de bom.