Biden se compromete a impedir que China se torne principal potência mundial

JJoe Biden jurou nessa quinta impedir que a China se torne a futura potência mundial, ttrabalhando nas relações com seus aliados e aumentando o investimento norte-americano no setor da tecnologia

Reuters / Carlos Garcia Rawlins
Credit...Reuters / Carlos Garcia Rawlins

Biden considera a competição entre Washington e Pequim uma das mais importantes na arena internacional, e já está planejando investir o dobro, em termos de porcentagem do PIB estadunidense, nos campos da ciência e tecnologia, informa o "South China Morning Post".

"Eu vejo uma competição tensa com a China", disse Biden em sua primeira coletiva de imprensa como presidente dos EUA. "A China tem um objetivo geral, o qual eu não a critico em ter, mas tem o objetivo geral de se tornar o país líder do mundo, o mais rico e o mais poderoso do mundo. Isso não acontecerá enquanto eu estiver aqui, porque os EUA vão continuar crescendo e se expandindo", declarou Biden, citado pela mídia.

Nos últimos anos, a China tem conseguido se aproximar economicamente dos EUA e de outros países desenvolvidos. Um de seus programas mais ambiciosos é o Made in China 2025 (Feito na China, na tradução), no valor de US$ 29 bilhões (cerca de R$ 163,8 bilhões), que mira em investir no desenvolvimento de semicondutores.

No mês passado, o think tank com base em Washington, Fundação de Tecnologia de Informação e Inovação, reportou que a política da China em usar incentivos governamentais para desenvolver sua indústria de semicondutores tem afetado negativamente companhias nos EUA e outras economias de mercado.

À parte de diferenças ideológicas, Biden e vários de seus aliados criticam as políticas governamentais chinesas relacionadas a Hong Kong e aos uigures. A expressão de desagrado nesta última questão é algo que o diferencia de seu predecessor republicano, Donald Trump, que raramente apresentava o mesmo criticismo.

Outro fator importante é a diferença no investimento em infraestrutura entre Washington e Pequim. De acordo com Pete Buttigieg, secretário de Transporte dos EUA, "a China gasta mais em infraestrutura do que os EUA e a Europa juntos [...]. O status quo da infraestrutura é uma ameaça para o nosso futuro coletivo. Nós enfrentamos o imperativo de criar uma infraestrutura resiliente e confrontar desigualdades que tenham devastado comunidades", disse Buttigieg citado pelo South China Morning Post. (com agência Sputnik Brasil)