Jornal do Brasil

País - Artigo

Olhos abertos para a cafeína

Jornal do Brasil KARINA CINDY*

Acorda e vai logo na garrafa de café - toma duas xícaras. Na saída ao trabalho, para manter-se aceso ao longo da manhã, ingere uma lata de energético. Durante o almoço, toma um refrigerante. Pós-almoço, come um chocolate para adoçar a boca e em seguida mais uma dose de café. Outro energético para não cair no sono durante a tarde e, para evitar a dor de cabeça, um comprimido. Ainda à tarde, um chá preto e mais um café. À noite, antes de ir para a academia, toma termogênico para diminuir o índice de gordura. Como se não bastasse, ingere mais um energético para intensificar o treino. Pós-treino e lá se vai mais um suplemento para ganhar massa muscular. Para finalizar, dois ou mais drinks – às vezes acompanhado de um ou mais energéticos.

Parece loucura, mas essa rotina é muito comum na vida dos brasileiros modernos e tem preocupado a comunidade médica. O problema é que na corrida por pequenas satisfações e mais excitações do corpo, esquecemos ou sequer sabemos da quantidade de cafeína que consumimos. Essa substância é um estimulante poderoso, porém quando em excesso no organismo pode causar uma intoxicação e desenvolver uma série de complicações.

Isso porque o coração acaba disparando de uma forma irregular a ponto de induzir arritmias, crises de hipertensão e infarto. O caso piora se há a ingestão excessiva de bebidas alcoólicas, sobretudo associada à energéticos. A explicação se dá pelo fato de que essa mistura funciona como agente excitador e causador de extra-sístoles e fibrilação atrial – dois tipos de arritmias cardíacas bastante prejudiciais causadoras, inclusive, da morte súbita.

Para manter-se saudável diante desse quadro, o recomendado é que ninguém supere 400mg de cafeína diariamente, o que equivale a 600ml de café por dia. Pequenas doses de cafeína não causam arritmias, mas aumentam a frequência cardíaca em torno de 5 a 10 batimentos por minuto. Por isso é preciso ficar de olho, já que uma xícara do tão tradicional cafezinho contém 200mg; 250ml de energético são 80mg; em uma barra de chocolate meio amargo são 20mg; e um comprimido para enxaqueca e gripe são cerca de 130mg.

Outro conselho importante é dirigido ao consumo da cafeína em pó, vendida como suplemento aos atletas. Esse produto, muitas vezes adquirido erroneamente pela internet, possui uma quantidade exorbitante da substância equivalente a 28 xícaras de café. Por uma série de motivos – inclusive para aumentar a concentração, anestesiar a fadiga, desempenho físico e inibir o sono – vemos as pessoas colocando cada vez mais esse mau produto no carrinho de compras.

Tornou-se cada vez mais comum examinarmos pacientes com o pulso acelerado ou perigosamente irregular. E a partir daí vêm sintomas como vômito, diarreia, letargia, diminuição da atividade das funções intelectuais e desorientação.

No combate a esse quadro, a Sociedade Brasileira de Cardiologia e a Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas recomendam a prática de atividades físicas regulares. Dessa forma haverá uma diminuição dos batimentos cardíacos e a prevenção às complicações cardiovasculares.

E não adianta apenas abrirmos os olhos para a cafeína. Precisamos descobrir que não vale a pena impor ao nosso corpo todo tipo de exagero e achar que ele vai se adaptar. Nesse tempo de tantas preocupações com a estética, nada melhor do que sentir o coração saudável para poder envelhecer com saúde e qualidade de vida.

* Cardiologista e especialista no tratamento das arritmias cardíacas



Tags: opinião

Recomendadas para você