Jornal do Brasil

Cultura

Caderno B: confira #Dicas de discos

Jornal do Brasil

Águia não come mosca

Um dos mais importantes álbuns do Azymuth, “Águia não come mosca”, de 1977, volta às prateleiras em setembro, sendo reeditado pela coleção “Clássicos em vinil”, da Polysom, num vinil de 180g. Formado por José Roberto Bertrami, Alexandre Malheiros e Ivan Conti “Mamão”, o grupo gravou dez faixas, reforçando a sua marca na mistura sincopada de jazz, samba, funk e rock. Entre as músicas, estão “Voo sobre o horizonte”, “Despertar” e “Tamborim, cuíca, ganzá, berimbau”.

Macaque in the trees
"Águia não come mosca", de 1977, volta às prateleiras em setembro

.

.

DNA

Pedro Mariano, filho de Elis Regina e Cesar Camargo Mariano, retorna em grande estilo com CD/DVD ao vivo (em São Paulo, no Teatro Alfa) e acompanhado de orquestra. O registro do show dá roupagem suntuosa ao pop suingado/romântico do cantor. Traz canções de contemporâneos, como Jair Oliveira (“Labirinto”) e Daniel Carlomagno (“Enfim”)mas não se furta a olhar para a linhagem ancestral do pop, com versões de sucessos de Lulu Santos (“Certas coisas”) e Guilherme Arantes (“Êxtase”).

Macaque in the trees
Pedro Mariano retorna em grande estilo com CD/DVD ao vivo e acompanhado de orquestra

.

.

...Canta Marina

Conclusão natural do show que Qinho fez em 2016, dedicado ao repertório de Marina Lima, o álbum é chancelado pela cantora/compositora no texto do encarte. Produzido pelo próprio Qinho e o tecladista Gui Marques (unidos sob o nome T.R.U.E.), o disco procura manter o espírito das gravações originais, sob um arcabouço eletrônico. Se não há surpresas no repertório - quase todas as músicas são bastante conhecidas - o cantor consegue injetar sangue novo em títulos como “Virgem”, de 1987.

Macaque in the trees
Qinho consegue injetar sangue novo em títulos como "Virgem", de 1987



Tags: música

Recomendadas para você