Jornal do Brasil

Cultura

Último filme de Kevin Spacey estreia com magra bilheteria de US$ 618

Jornal do Brasil

O último filme de Kevin Spacey, que caiu em desgraça após várias denúncias de abuso sexual, já é um estrondoso fracasso de bilheteria, que não conseguiu chegar aos 1.000 dólares em sua estreia.

"Billionaire Boys Club", um drama baseado em uma história real, no qual Spacey contracena com Ansel Taron ("Em Ritmo de Fuga") e Taron Egerton ("Kigsman: serviço secreto"), estreou na sexta-feira em 11 cinemas dos Estados Unidos com uma arrecadação de apenas 126 dólares e fechou o domingo com US$ 618, segundo cifras de veículos especializados.

Ficou a anos-luz de distância de "Crazy Rich Asians", filme que lidera a bilheteria na Am,érica do Norte, segundo cifras consolidadas da empresa especializada Exhibitor Relations.

O longa-metragem, adaptado do livro homônimo escrito por Kevin Kwan (2013), arrecadou 35,2 milhões de dólares desde a sua estreia, com US$ 26,5 milhões só no fim de semana.

Nesta comédia romântica, Rachel Chu (Constance Wu), uma nova-iorquina de origem chinesa, professora da Universidade de Nova York, aceita viajar a Singapura para visitar a família do namorado, Nick Young (Henry Golding).

Ali, ela vai descobrir que Nick é herdeiro de uma família de promotores imobiliários de origem chinesa, uma das famílias mais ricas da Ásia, se verá imersa em um mundo totalmente desconhecido.

"Crazy Rich Asians" é o primeiro filme de Hollywood com um elenco predominantemente asiático desde "O clube da felicidade e da sorte", de 1993.

- "O pior resultado" -

"Billionaire Boys Club" não aparece sequer na lista de 82 filmes em cartaz nos Estados Unidos.

O estúdio Vertical Entertainment "certamente não queria a imprensa negativa e as cifras vazaram por um serviço de um rastreamento", explicou à AFP Jeff Bock, analista sênior da empresa, que publica cifras oficiais.

Este é o primeiro filme do duas vezes ganhador do Oscar desde que o ator virou alvo de acusações de agressão e assédio sexual no âmbito do movimento #MeToo.

O Vertical, que lançou o filme primeiro em vídeo em julho, defendeu a estreia apesar de ter Spacey no elenco.

"Esperamos que estas acusações angustiantes relacionadas com o comportamento de uma pessoa, que não eram de conhecimento público na época das filmagens, há dois anos e meio, e que atingem alguém que teve um papel coadjuvante em 'Billionaire Boys Club', não ofusquem o lançamento do filme", manifestou-se o estúdio.

"Se colocarmos o preço médio do ingresso a 9,27 dólares, isso quer dizer que umas seis pessoas compareceram em cada cinema", destacou a revista especializada The Hollywood Reporter. "E este é, de longe, o pior resultado na carreira de Spacey".

As acusações de abuso contra Spacey lhe custaram o papel na série "House of Cards", na qual foi protagonista. Ele também foi eliminado das últimas cenas do último filme de Ridley Scott, "Todo o dinheiro do mundo", no qual foi substituído por Christopher Plummer.

Ele também é investigado em Londres - onde dirigiu The Old Vic Theatre entre 2004 e 2015 -, Los Angeles e Nantucket, um luxuoso balneário de Boston, mas até agora não foi denunciado na Justiça.



Recomendadas para você