Força Indie

separaçãoainda émuito aparente hoje em dia?

– Bem,achoquesepegar- mos,por exemplo,ahistó- ria do punk de onde ele sur- giu, seu ideário,como foi sua trajetória e como tudo isso viroumoda, artigode luxo, pode-se dizer que não há mesmo uma separação. É uma questão com muitos aspectos. Noâmbito do

Músicado underground

,o que importa é que ainda há personagens que estarão sempre à margem das con- venções, da ordem estabe- lecidae quequeremfazer suamúsica. Então,nesse sentido, ser de uma banda punk na China é altamente libertário. Fazermúsica experimental e conceitual no Japãoé romperbarrei- ras. Sermúsico solitário nas estações do metrô é ser meio

outsider

.

A mostra do Rio tem algu- ma particularidade?

– Esteéumprogramaes- pecial para o Rio. O

Música do underground

é um pro- grama fixo que existe den- tro do Indie.10 há 10 anos. No Rio,fizemos ummix com filmes exibidos na edi- ção deste deoutros anos. Buscamos filmesque não foramvistos nacidade. Gostaria muito de ver a rea- ção dos cariocas, a cidade do funk, para o documen- tário

Man oooman

, sobre o dancehall jamaicano...

Por que a mostra não con- ta com nenhuma produ- ção nacional?

– Sempre escolhemos pe- lo menos um filme, mas o programa queserá exibi- do no Rio não tem nenhum nacional. Nóssó selecio- namosquando existeal- gum filme com o perfil da mostra, mas há poucos do- cumentários brasileiros sobrerock, punkefunk. Há muitos sobre samba...

Existem momentosem que cinema e música estão tão interligadosque não há como se saber a diferen- ça entre um e outro?

– Sim,podecolocaraculpa nocinema clássicoameri- cano ou no cinema comer- cial por natureza (

risos

). Mas nocaso do

Música do underground

, o foco é a mú- sica noseu sentidoexplí- cito, cultural, ligado à nos- sa contemporaneidade.

Terça-feira

17h30 –

Beijing punk,

Shaun Jefford, Austrália/EUA, 2010 19h30 –

The Family Jams

, Kevin Barker, EUA, 2009

Quar ta-feira

17h30 –

Cópia original, cópia pirata

, Andreas Johnsen, Ralf Christensen, Henrik Moltke, Dinamarca, 2007. 19h30 –

I need that record!, Brendan Toller

, EUA, 2008

Quinta-feira

16h00 –

Nós não ligamos mesmo para música

, Cédric Dupire e Gaspard Kuentz, França/Japão, 2009 17h30 –

Man ooman

, Andreas Johnsen e Rasmus Poulsen, Dinamarca, 2008, 19h30 –

Intr ospectivo

, Aram Garriga, Espanha, 2007

Sexta-feira

16h00 –

Low, you may need a mur derer

, David Kleijwegt, Holanda, 2007 20h00 –

Sigur rós – em casa

, Dean DeBlois, Islândia, 2007

Sábado

15h30 –

One man in the band

, Adam Clitheroe, Inglaterra, 2008 17h30 –

Nós não ligamos mesmo para música

, Cédric Dupire e Gaspard Kuentz, França/Japão, 2009 19h30 –

Cópia original, cópia pirata

, Andreas Johnsen, Ralf Christensen, Henrik Moltke, Dinamarca, 2007

Domingo

15h30 –

I need that record

!, Brendan Toller, EUA, 2008 17h30 –

Man ooman

, Andreas Johnsen e Rasmus Poulsen, Dinamarca, 2008, 19h30 –

Beijing punk

, Shaun Jefford, Austrália/EUA, 2010

Pr ogramação

CARREIRA SOLO

– Cenade ‘Uma banda de um homem só’Divulgação