Jornal do Brasil

Segunda-feira, 21 de Abril de 2014

Trânsito

A vida em segundo lugar

Celso Franco

Aprendi que uma das coisas que distinguem um país do Primeiro Mundo dos demais é o respeito à vida de seus habitantes. Evidentemente, este respeito vem atrelado à educação e à assistência social.

Não é absolutamente o que se vê no nosso Pindorama, principalmente nos últimos anos. A mídia televisiva, que não mente, mostrando os fatos vergonhosos que se vê ao vivo, a nós, pagadores de impostos e, de certa forma, privilegiados, por podermos ter um plano de saúde e morarmos em áreas que não correm risco nos temporais, tradicionais no período das chuvas, envergonha e irrita a todos nós.

Comprovando o critério de classificação do desenvolvimento das nações, pelo respeito à vida de seus concidadãos, vemos a nossa vergonhosa classificação, no ranking mundial, quanto ao número de mortos em acidentes de trânsito e, note-se, as estatísticas não são exatas, considerando os acidentados que morrem depois, em conseqüência de seus ferimentos.

Eu, que via com esperança a medida civilizada de melhorar a segurança de nossos veículos, com a obrigatoriedade de possuir os freios ABS e o air bag, fiquei chocado, mas não surpreso, pela objeção do Ministro da Fazenda, agarrado ao cargo, em meio à tempestade que sofre o nosso frágil barco, por ele pilotado, da economia. Digo não surpreso, por sempre dizer que: “É muito difícil se gerir o trânsito com política mas, desgraçadamente, é muito fácil utilizá-lo para fazer política”. Afinal, os receios do ministro não são infundados, face aos seus conhecimentos da ameaça inflacionária, num ano de eleições.

Napoleão já dizia que “as multidões são tolas, fáceis de enganar”. 

Mas, desta feita, apesar das explicações ministeriais, os fatos irão condenar a colocação dos interesses do PT, que está no poder, acima do bem-estar da família brasileira, que irá continuar enlutada, na medida em que irá velar os seu jovens, maiores vítimas do holocausto que ocorre em nossas estradas, mal conservadas e pior ainda policiadas.

Como se não bastasse a precária vistoria técnica da segurança dos veículos, para sua renovação da autorização de circular, (felizmente, aqui no Rio, em fase de possível aprimoramento técnico, dentro dos padrões do Primeiro Mundo), que permite carros sem a mínima condição de segurança de trafegar, agora vetam, ou melhor, postergam, esta medida importantíssima, para salvar vidas, pelo seu possível efeito inflacionário, como se fosse só ela o motivo desta ameaça.

Nada posso fazer, a não ser alertar aos leitores do JB do desprezo com que é tratado por aqueles que deveriam prestigiá-lo e protegê-lo, o que não me impede, dentro da liberdade de imprensa do regime democrático, de alertar ao senhor ministro de que, a partir deste veto, as suas mãos se tingirão de sangue dos inocentes sacrificados, no nosso trânsito selvagem, pela falta destes importantes equipamentos, em prol dos resultados políticos do governo a quem V. Exia serve com elevado desvelo.

Tags: Celso, coluna, franco, JB, segurança, Trânsito

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.