Jornal do Brasil

Quarta-feira, 18 de Julho de 2018 Fundado em 1891
Tostão

Colunistas - Tostão

Perdedores e vencedores

Jornal do Brasil

BELO HORIZONTE - Nos últimos dois dias, pensei na Argentina e em Messi. Os pessimistas ou realistas já diziam, antes da partida contra a Croácia, que os argentinos corriam grandes riscos de serem eliminados na primeira fase. Eu me iludi, pois achava que haveria uma boa chance de a equipe, mesmo sem conjunto, surpreender, ainda mais com Messi. A atuação foi horrível. 

Após a partida, escutei várias ótimas análises, técnicas e táticas, sobre o jogo. Notei também um imenso prazer, nos comentários, jornalísticos ou não, e na opinião dos internautas, em ver o grande craque destroçado, triste, sofrendo. 

Além da grande pressão que Messi sofre, por ser o craque que é, há a pressão do fantasma de Maradona, presente aos estádios, como se todos dissessem: “Você tem de ganhar, sozinho, o título para Argentina, como Maradona na Copa de 1986”, o que não é verdade, pois a seleção era boa no conjunto e tinha jogadores melhores que os atuais. Existe ainda a pressão da concorrência com Cristiano Ronaldo, que sempre brilha um dia antes. 

Um leitor, estudante de psicologia, me perguntou se Messi, na seleção, seria um bom exemplo dos “arruinados pelo sucesso”, como Freud chamou as pessoas que tinham enorme sucesso nas carreiras e que, por um sentimento de culpa, de não se acharem merecedoras, agiam, inconscientemente, para serem derrotadas. Para esse leitor, Messi se sentiria culpado, no imaginário, sem nenhum motivo real, por ter ido, ainda adolescente, para a Espanha. A teoria é estranha, mas não absurda. 

Caindo na real, acho que a dificuldade de Messi é a de jogar em um time totalmente bagunçado e ao lado de poucos jogadores de alto nível, ao contrário do que dizem. Os únicos titulares da Argentina, que jogam em uma grande equipe, são Messi, Agüero e Otamendi. O problema da Argentina não é só coletivo. 

Ainda são razoáveis as chances de classificação. Se a Argentina ganhar da Nigéria, o que não é nada impossível, e a Islândia não vencer a Croácia, o que é normal, o time estará nas oitavas. Mas, se a Argentina for eliminada, o que é mais provável, as críticas a Messi serão duríssimas, para sempre, pois é quase certo que ele não terá outra chance na carreira. 

Como o futebol é misterioso, a Argentina poderá crescer e, talvez, até sonhar com o título. Se isso ocorrer, teremos todos de agradecer ao futebol por Messi existir.



Tags: coluna, copa, futebol, jogador, seleção

Compartilhe: