Jornal do Brasil

Domingo, 26 de Outubro de 2014

Sol maior

Conversando com o maestro John Neschling

Maria Luiza Nobre

 Hoje conversamos com um dos mais brilhantes gestores e realizadores do meio musical brasileiro,que é o Maestro John Neschling,carioca da gema, sobrinho-neto do compositor Arnold Schoenberg,criador da nova Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo,a OSESP,e como conseqüência idealizador da belíssima  Sala São Paulo localizada,após a reforma,na antiga Estação Júlio Prestes. Foi um grande projeto que sem dúvida culmino,podemos até dizer,na revolução da música sinfônica em São Paulo. Após o convite do atual prefeito de São Paulo,Fernando Haddad e do ex-ministro da cultura e atual secretário municipal de cultura,Juca Ferreira, Neschling  está de volta e na atualidade é o diretor artístico do Theatro Municipal de São Paulo. Vamos conversar com ele. 

Maestro você fez uma surpresa, aliás muito agradável e positiva,ao anunciar as óperas da Temporada 2015 do Theatro Municipal de São Paulo,antecipando todas as temporadas de ópera no Brasil para o próximo ano. Um fato tão possível quanto verdadeiro,qual é o segredo,mágica ou excelente gestão? 

Maestro John Neschling
Maestro John Neschling

O segredo é mágica, Maria Luiza! Mas falando sério, o segredo é competência administrativa, apoio político-financeiro, competência artística e exigência constante de excelência do resultado. Muitos teatros fazem isso, não há grandes invenções e mágicas envolvidas. 

Com a  recriação da OSESP, totalmente ressuscitada, você   definitivamente tem o dom de injetar um novo sopro onde  chega e se compromete a realizar verdadeiras mudanças onde o positivismo é uma constante e o sucesso seu maior aliado. Qual é o seu segredo?

Dedicação ao trabalho (inclusive física), ter um projeto definido e não improvisar, exigir e não transigir em pontos chaves do projeto, evitar ao máximo os compromissos com a mediocridade e a ignorância, exercer a autoridade sem ser autoritário, não privilegiar os amigos, mas tratar  todos da mesma maneira, do porteiro à grande estrela. Não é simples, mas é fascinante. 

A Temporada lírica em  2015 já está programada. Como ficam os concertos com a Orquestra,você tem a intenção de encomendar novas óperas e/ou obras para orquestra a compositores brasileiros de renome?

A temporada de concertos já está pronta e será anunciada nos próximos dias da mesma forma que a lírica. O Theatro Municipal é um teatro lírico e sua temporada de concertos não pode ter o mesmo espectro que a sua temporada operística. Há outras orquestras em São Paulo que assumem a temporada sinfônica com toda a sua riqueza, inclusive a nossa Orquestra Experimental de Repertório, sob o comando do Maestro Carlos Moreno.

Muito obrigada pela conversa.

Tags: coluna, JB, maior, sol, texto

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.