Jornal do Brasil

Sexta-feira, 26 de Dezembro de 2014

País - Sociedade Aberta

OMS chama a atenção para problemas circulatórios

Ricardo Brizzi* 

Segundo a Organização Mundial da Saúde, 22% de todas as mortes têm como causa os problemas circulatórios. Esse dado preocupa ainda mais com a chegada do inverno já que ocorre a contração ou vasoconstipação das artérias periféricas, o que aumenta a resistência da circulação normal.

Uma das causas mais frequentes dos problemas circulatórios é a arterosclerose. Dores,  cãibras, paralisias e a sensação de apertos ou fadigas de músculos durante a prática de exercícios e caminhadas podem ser sintomas de arteriosclerose dos membros inferiores. O problema  acontece por causa do depósito de gordura, cálcio e outros elementos na parede das artérias, que obstruem a circulação sanguínea. O desenvolvimento da doença é lento e progressivo. O  mais perigoso é que normalmente quando há uma obstrução arterial significativa – que leva o paciente a apresentar sintomas por causa da falta de circulação – cerca de 75% do calibre da artéria já estão comprometidos.

A arteriosclerose é uma doença sistêmica, que pode acometer simultaneamente diversas artérias do paciente. O quadro clínico de cada um vai depender de qual artéria está mais obstruída. Com exames como o Eco Doppler, por exemplo, podemos fazer o diagnóstico precoce, possibilitando que o tratamento comece a ser feito antes que a doença se agrave.

Quando não é diagnosticada através de exames, a arteriosclerose se manifesta de acordo com o grau de comprometimento de cada artéria. No caso das coronárias (artérias do coração), o paciente normalmente sente dor cardíaca durante o esforço. Angina de peito – na evolução crônica – ou o enfarte na evolução aguda – o que pode levar à morte. Quando o entupimento atinge as carótidas (artérias do pescoço), o paciente apresenta perturbações visuais, paralisias transitórias e desmaios –na evolução crônica. Em casos mais graves (evolução aguda), a obstrução da artéria pode causar derrame (acidente vascular encefálico – AVC).

Existem também casos em que a circulação fica comprometida nas artérias de membros inferiores (artérias ilíacas e femorais). Nestes casos é comum que o paciente sinta dor nas pernas ao caminhar (claudicação intermitente), tenha queda de pelos, atrofias da pele, unhas e musculares, e até mesmo impotência (dificuldade de ereção peniana).

Segundo a Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, estudos epidemiológicos mostraram que a arteriosclerose incide com maior frequência indivíduos que têm características classificadas como “fatores de risco”. Entre eles está a idade, uma vez que a doença atinge pessoas na faixa de 50 a 70 anos. Homens também são mais propensos a desenvolver arteriosclerose,  pois as mulheres são "protegidas" por causa da ação do hormônio feminino (estrogênio). Porém, após a menopausa essa "proteção" desaparece, e os riscos ficam iguais.

Para se evitar o problema é preciso ter cuidado com a alimentação – evitando principalmente as gorduras saturadas – e ter um bom condicionamento físico – atividades físicas regulares. Entre os problemas que o alto colesterol ruim pode causar está a ateriosclerose. Não à toa, é importante investir numa alimentação rica em frutas, legumes, verduras e cereais. O acúmulo de gordura forma as chamadas placas  que fazem com que as artérias percam a elasticidade. À medida que essas placas crescem, elas promovem o estreitamento da artéria, dificultando o fluxo sanguíneo.

Os indivíduos que fumam têm um risco maior de desenvolver a doença. O risco para fumantes é nove vezes maior do que na população não fumante

A prevenção é sempre o melhor caminho. Isso pode ser alcançado com alimentação equilibrada, não fumando e praticando regularmente exercícios físicos.

* Ricardo Brizzi, membro da Sociedade de Cirurgia Vascular do Rio de Janeiro,  é angiologista e cirurgião vascular.

Tags: aberta, brizzi, coluna, ricardo, Sociedade

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.