Jornal do Brasil

Sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

País - Sociedade Aberta

Voz do eleitor

Marcos Espínola*

Nesta semana as campanhas eleitorais começaram pra valer. Com o horário eleitoral gratuito, cada candidato tem a possibilidade de se apresentar ao eleitor. Normalmente, o discurso é baseado em dois pilares: críticas aos adversários e promessas e soluções para os problemas de sempre. No entanto, em tempos de pós-manifestações, recheadas de indignações, o que a população quer mesmo é objetividade e transparência em temas centrais como saúde, educação e segurança. 

Em verdade, a população brasileira, obviamente incluindo cariocas e fluminenses, está saturada desse modelo de política assistencialista e partidária, no qual ainda predominam práticas arcaicas de barganhas. Vão desde a troca de voto por dentadura até cargos de confiança em órgãos governamentais, além dos gabinetes. Tudo isso somado aos sucessivos escândalos de corrupção e desvio de dinheiro em todos os escalões e de todas as esferas (municipal, estadual e federal).

Podemos dizer que essa certa má vontade com a classe política brasileira reflete toda a frustração e decepção de cidadãos de bem e trabalhadores. Indivíduos esperançosos por um país melhor, mas que amargam por décadas o descaso das autoridades. Pessoas que acompanham bem próximo a degradação dos instrumentos públicos, como hospitais e escolas. Famílias inteiras destruídas precocemente, carregando na pele as marcas da violência. 

Boa parte delas foi atingida pelo mal das drogas, por balas perdidas ou se tornou vítima do poder de traficantes. Boa parcela dessa população é privada dos seus direitos básicos de cidadania, e se engana quem pensar que esses são apenas os moradores de áreas carentes. Toda a sociedade, independentemente de classe social, de uma forma ou de outra, faz parte dessa estatística. 

Diante desse cenário delicado, a população do Rio de Janeiro almeja dias melhores. Não podemos viver o caos, transitando em regiões consideradas verdadeiros barris de pólvoras e outras conhecidas como Faixa de Gaza. É inaceitável que a cidade que se orgulhou em sediar jogos da Copa do Mundo amargue situação precária da saúde pública. Não podemos mais admitir que diversas crianças não tenham acesso a uma educação de qualidade. 

Exigimos propostas concretas. Temos o direito de conhecer, com antecedência, o que pensa e o que pretende cada candidato para essas áreas primordiais no desenvolvimento de qualquer sociedade. Temos o direito e o dever de analisar e fazermos a nossa escolha. 

**Marcos Espínola é advogado criminalista.

Tags: aberta, coluna, espínola, marcos, Sociedade

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.