Jornal do Brasil

Quinta-feira, 27 de Novembro de 2014

País - Sociedade Aberta

É preciso aprender novas linguagens de programação?

Gerardo Wisosky*

No Brasil, o setor de software tem crescido muito nos últimos anos. Entre 2008 e 2012, os dois segmentos que tiveram crescimento mais expressivo em ofertas de emprego foram: desenvolvimento de programas de computador sob encomenda, que passou de 46,6% para 62,1%; e consultoria em tecnologia da informação, que aumentou de 44,8% para 54,6%, de acordo com pesquisa realizada pela Fundação Seade, no segundo bimestre de 2014.

O estudo aponta ainda que o município de São Paulo é o principal polo do setor de software, que conta com 46% do total dos empregados. Em 2013, enquanto o PIB nacional aumentou a uma taxa de 2,3%, a área avançou 5,3%. Vale ressaltar que os profissionais de software e serviços de tecnologia da informação destacam-se pelo elevado nível de instrução, que tem o percentual de 47,4% com formação superior: graduação e pós-graduação. 

Neste cenário, podemos entender o porquê de os programadores sempre estarem atrás das novas linguagens e atentos às mudanças. Se as linguagens mudam, os profissionais da área precisam se atualizar para não perderem oportunidades de carreira. O mercado de trabalho é muito competitivo e quem não se aperfeiçoa fica para trás. Constantemente, as empresas de tecnologia inovam, e a mais recente foi a anunciada pela Apple, que trouxe a Swift, uma nova linguagem de programação para iOS e OS X, que chega para substituir a Objective-C. 

Nesta vertente, não podemos esquecer as ferramentas de desenvolvimento automático de sistemas. Elas se diferenciam por deixar de lado a codificação e apostar na descrição do programa. Será que a adoção desta ferramenta não seria uma saída inteligente para a criação de muitos sistemas/aplicativos? Na minha humilde opinião, sim. Com essa ferramenta, os desenvolvedores não precisam aprender a linguagem de programação vigente e podem se dedicar a tarefas mais importantes da criação de um software.

Além disso, essas ferramentas automáticas permitem criar programas para linguagens e plataformas diferentes de uma só vez. Isso representa uma grande economia de tempo e dinheiro, pois não é necessário desenvolver uma versão exclusiva para iOS e outra para Android, o aplicativo já é criado em uma variante que pode se adaptar a qualquer sistema. Ao invés de várias linhas com código, o programador vê o diagrama, e, sempre que arrastar uma coluna, uma ação acontece. 

Em meio a tantos benefícios, eu me pergunto: por que as empresas de desenvolvimento de sistemas não apostam nesta ferramenta? Por que ainda não automatizamos esse processo? Qual é o motivo da resistência? Sendo assim, fica a questão: será que realmente é preciso programar?

*Gerardo Wisosky é country manager Brasil do GeneXus International, empresa que desenvolve GeneXus ferramenta de desenvolvimento de sistemas que permite criar aplicativos para as linguagens e plataformas mais populares do mercado, sem necessidade de programar.

Tags: aberta, coluna, gerardo, Sociedade, wisosky

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.