Jornal do Brasil

Quarta-feira, 1 de Outubro de 2014

País - Sociedade Aberta

Seríamos todos autistas?

José Luiz de Araújo Júnior*   

Esta é a questão que me proponho investigar há algum tempo. É possível que não o sejamos no sentido estrito do conceito, porém certamente me parece que somos autistas sociais e políticos. Vejamos...

O Transtorno do Espectro Autista conta com diversas características idiossincráticas, dentre as quais se destaca uma quase completa incapacidade de interação social. E nós, seres humanos “normais”, dotados de incríveis faculdades verbais, gestuais e simbólicas, afastamo-nos cada vez mais do contato tête-à-tête com nossos iguais, buscando em vão preencher a solidão que naturalmente nos inunda através de contatos virtuais. Gabamo-nos de nossa pretensa evolução tecnológica, e exibimos com orgulho a quantidade enorme de amigos que acumulamos em redes sociais, estes mesmos aglomerados de semblantes felizes que mimetizam através de selfies a montanha de emoções que somos capazes de vivenciar. Abdicamos de um cumprimento qualquer, um olá que seja — ou ao menos um aceno com a cabeça —, a um desconhecido com o qual cruzamos olhares na rua. 

Em contrapartida, podemos consumir horas e mais horas em diálogos cibernéticos com “amigos” de todo o planeta. E assim nos sentimos felizes, seguros e... solitários! A tela de um computador, de um aparelho celular ou de um tablet não nos oferece maiores riscos. Se não quisermos nos comunicar é simples: a internet caiu, o telefone ficou sem sinal ou o tablet descarregou a bateria. Já o olhar de um igual, o olhar especular, carrega-nos diretamente ao tempo de nossa infância. Reconhecemos imediatamente nosso reflexo no espelho, e ali enxergamos nossas deficiências, as quais nos fazem recordar que não somos perfeitos. É a partir desta constatação que buscamos isolamento. Tememos o olhar do outro e os julgamentos que possivelmente estarão por trás dele.

Uma outra — e não menos importante — característica que nos podemos atribuir, autistas que nos tornamos, é a estereotipia. Repetimos ações a todo momento. Isto nos dá segurança, ou seja, se já deu certo uma vez dará sempre. E se isto não mais ocorrer, fugimos novamente! E aqui sinto-me à vontade para dar um salto mais distante... Observem nosso comportamento em relação à política. O que fazemos além de repetir equívocos? Erramos consecutivamente na escolha de nossos governantes, e temos ainda a audácia de culpá-los por seus previsíveis atos?! Precisamos, sim, de um processo terapêutico contínuo e coletivo, um processo no qual, tal qual é indicado aos autistas clássicos, haja estimulação por todos os lados: cultural, social e política. 

Precisamos incentivar e fortalecer a educação de nossas crianças (Rubem Alves não cansou de dizê-lo), retomar com urgência a troca de olhares e palavras em nosso dia a dia, além de participar e reinventar nossa política, de baixo para cima. Precisamos de um melhor povo para cobrarmos melhores líderes. Não podemos oferecer a nossos políticos o que eles mais almejam: que sejamos autistas, que vivamos em nosso mundinho particular, avessos aos meandros sombrios do poder. Em minha experiência clínica com crianças e adolescentes autistas, percebo que prognósticos obscuros tendem a cair por terra quando buscamos enxergar além do que nos é ofertado em um primeiro momento. E é por isso que acredito firmemente que podemos reaprender a viver como nossos ancestrais viviam há milhares de anos: socialmente!

* José Luiz de Araújo Júnior é psicólogo.      

Tags: aberta, araújo, coluna, júnior, Sociedade

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.