Jornal do Brasil

Quinta-feira, 18 de Dezembro de 2014

País - Sociedade Aberta

Único sentido 

Tarcisio Padilha Junior*

O fenômeno industrial de forma alguma se limita à aplicação de determinado tipo de tecnologia. Resulta da conjunção de vários fatores, entre os quais sem dúvida figura a contribuição da tecnologia, mas também fatores propriamente econômicos – sobretudo, e especialmente, a capacidade de congregar em um ponto capital bastante para equipar grandes unidades de produção.

No início, a tecnologia desempenhou um papel relativamente limitado. Mas foi o contexto industrial que lhe permitiu desenvolver-se rapidamente, e esse desenvolvimento teve um efeito decisivo sobre o da ciência. A industrialização conferiu aos países que em primeiro lugar se lançaram nesse caminho uma superioridade nos domínios militar, econômico e político que não tardaram a explorar.

No fundo, a industrialização torna possível uma generalização do esquema tecnológico: a utilização sempre mais eficaz e sempre mais exigente de seus objetos tende a substituir-se às finalidades para as quais foram eles inicialmente concebidos. Por uma espécie de mecanismo de indução, a dimensão de projeto que habita o complexo tecnológico tende a apoderar-se da personalidade humana.

Pelo projeto, o presente se torna lançado para além dele mesmo, liga-se a um futuro do qual seu único sentido é preparar a realização. O passado fica desvalorizado, só vale como o que foi ultrapassado, e como coletânea de experiências, nas quais por vezes é útil inspirar-nos para a formulação das novas tarefas a serem realizadas e para a concepção dos meios a serem empregados.

A ação não é mais dependente de outro tempo, ela se torna responsável por si mesma, e a nada mais remete senão à suas próprias realizações. Supostamente, a ação sabe de que é capaz, conhece os recursos com que pode contar, pode confiar no que empreende, contanto que o empreendimento tenha sido cuidadosamente estudado, e que tenhamos distinguido todos os fatores.

A ciência como a tecnologia encontram-se hoje implicadas num processo contínuo de crescimento cuja responsabilidade elas mesmas assumem. Fato é que ciência e tecnologia de certa forma se tomam por objeto e também se representam previamente em suas próprias possibilidades de desenvolvimento.

* Tarcisio Padilha Junior  é engenheiro. - tarcisiopadilhajunior@yahoo.com.br 

Tags: aberta, coluna, Padilha, Sociedade, tarcisio

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.