Jornal do Brasil

Domingo, 26 de Outubro de 2014

País - Sociedade Aberta

Tecnologia em prol da água

 Marcos Balbi*

Que a água é essencial, todos sabem, mas só valorizamos esse líquido poderoso quando sentimos na pele a falta que ele nos faz. A pouca incidência de chuvas nos últimos meses e o intenso calor em alguns municípios brasileiros têm piorado cada vez mais a situação dos reservatórios de água. E mesmo sendo dono do maior potencial hídrico do mundo, o Brasil corre grandes riscos de chegar ao próximo ano com problemas de abastecimento. Segundo levantamento realizado pela Agência Nacional de Águas (ANA), o governo deverá investir R$ 22 bilhões para evitar a escassez no futuro.

A demanda de água no Brasil é direcionada, basicamente, para quatro finalidades: agricultura, produção de energia, usos industriais e consumo humano. Porém, a agricultura é a atividade que faz uso intensivo desse recurso natural, o que corresponde a 70%. De acordo com o Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos — documento principal da ONU Água — as estimativas de consumo mundial de água para a agricultura são de 19% até 2050, o que poderá crescer ainda mais caso não ocorra uma melhoria no rendimento dos cultivos e a eficiência da produção agrícola. Além disso, a maior parte desse aumento de uso da água para irrigação ocorrerá em regiões já afetadas pela escassez de recursos hídricos. A gestão com responsabilidade da água para fins agrícolas contribuirá fortemente para a segurança desses recursos do planeta.

Diante desse cenário e no que diz respeito à melhoria da qualidade de vida mundial, além de, consequentemente, economia de água, algumas tecnologias estão sendo aplicadas na busca de soluções sustentáveis. Um bom exemplo é a área da agricultura, cuja finalidade da inserção de equipamentos tecnológicos é possibilitar que o agricultor realize irrigações no campo, reduzindo energia e, ao mesmo tempo, potencializando a produção sem perder qualidade na colheita.

A tecnologia empregada no campo é, sem dúvida, um caminho sem volta não só para economizar água mas também para monitorar o clima, diminuir o uso de agrotóxicos e prevenir contra doenças e pragas, que, a cada ano, a cada safra, trazem para os agricultores prejuízos incalculáveis.

Isso significa que as culturas que vão sofrer menos serão aquelas que utilizarem tecnologia avançada, rompendo com paradigmas de hábitos e costumes passados de geração em geração. A percepção do “novo empresário rural” terá que ser alinhada ao que há de melhor em termos de tecnologia que possa ser agregada ao dia a dia do campo.

Enfim, a real iminência da escassez de água será, sem trocadilhos, um divisor de águas não só para o setor agrícola mas para toda a sociedade e a cadeia de produção dos mais variados segmentos. E a tecnologia certamente se apresenta como uma das principais aliadas na busca de soluções efetivas.

*Marcos Balbi, engenheiro agrônomo, é especialista em gestão estratégica em serviço pela FGV e consultor na Olearys S/A.

Tags: aberta, balbi, coluna, marcos, Sociedade

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.