Jornal do Brasil

Quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

País - Sociedade Aberta

"De repente 30" e solteiro

Sandro Arquejada*

Não é raro, nos dias de hoje, encontrar pessoas que já tenham atingido os 30 anos e ainda estejam solteiras. Há algumas gerações, a maioria se casava por volta dos 20 ou 25 anos, provavelmente tenha sido assim com nossos pais. Já com nossos avós, o casamento acontecia ainda mais cedo, entre 15 e 19 anos. 

Os tempos mudaram, os planos das pessoas e o meio em que vivem se tornaram diferentes. Antigamente, quando alguém se tornava adulto — em condições de trabalhar e produzir como “gente grande” — a família já se preocupava com um casamento para ele. Hoje não! Atualmente, pensa-se que, primeiro, o indivíduo deve cursar uma faculdade ou aprender um ofício; depois estabilizar-se profissionalmente para adquirir certa estrutura financeira. Só, então, procurar alguém para se casar.Quando entramos na terceira década de nossa vida, atravessamos, definitivamente, a fronteira entre a juventude e a idade adulta. Parece que alguma coisa acontece em nosso interior, uma consciência nova, uma responsabilidade maior, sobretudo, com nós mesmos. Parece “cair a ficha” de que parte da nossa vida passou, mas ainda nos falta providenciar coisas essenciais como o casamento. 

Nessa altura da vida, a maior crise é ainda estar solteiro. E muitos se perguntam: “Por que estou sozinho? Por que não aparece uma boa pessoa pra eu namorar? É algum problema comigo?. Antes de tentar responder, analisemos os pontos positivos: as pessoas “pós-30” têm a seu favor o fato de que muitos são bem resolvidos profissionalmente. Então, oferecem ao parceiro (a) certa estrutura material, estabilidade financeira e emocional. Também já tiveram, pelo menos, um relacionamento de namoro e, teoricamente, devem saber lidar melhor com as diferenças. 

Pergunto: “Todas as coisas pelas quais você lutou para alcançar lhe geraram efeitos colaterais?” Você estaria solteiro porque se envolveu com suas prioridades de estruturar a vida e deixou um pouco de lado o campo afetivo? Será que não trocou sua dedicação e seu tempo de cultivar boas amizades e estar com pessoas parecidas com você por horas de estudo e trabalho? Sobre o que você sabe conversar? Planilhas, mercados ou coisas voltadas para a sua profissão? Há pessoas que usam técnicas de paquera da mesma forma como lidam com seus clientes. 

A idade, as coisas que aprendeu e até as pedras do caminho não o fizeram ter manias demais? É natural o tempo passar e você ficar mais exigentes para se envolver. A pessoa exigente busca qualidades que antes ela criou para si logo oferece algo muito bom ao parceiro (a). 

O fato de ter que desenvolver metas e meios para alcançar seus objetivos não o fez pensar em sua vida afetiva como algo calculado, planejado? Em um protótipo de mulher ou homem ideal, perfeito? É bom deixarmos claro que tal pessoa não existe! 

Você faz sua parte? Investe em si mesmo? Lê bons livros e se enriquece de conteúdo? Você deixa as suas chatices de lado e tenta ser mais simpático, sorrir mais aonde você chega? Reconciliou-se com sua história passada, com seus medos e traumas? Perdoou pessoas? Você busca entender a si mesmo e seus processos interiores? 

Deixe-se surpreender pelas pessoas com aquilo que elas têm dentro de si. Não tente fabricar o outro. As maiores riquezas e os maiores dons que uma pessoa tem fluirão naturalmente nela. Abra o seu coração, saia de casa, faça amizades. Chegar aos 30 anos não é o fim, mas o começo de uma nova etapa!

O importante é não perder a esperança, pois ela é a certeza de que Deus tem sempre o melhor para nós.

* Sandro Arquejada, autor dos livros 'As cinco fases do namoro' e 'Maria, humana como nós' , é missionário da Comunidade Canção Nova.

Tags: aberta, arquejada, coluna, sandra, Sociedade

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.