Jornal do Brasil

Quinta-feira, 27 de Novembro de 2014

País - Sociedade Aberta

O papel da consultoria na atividade turística

Bayard Do Coutto Boiteux* 

Aos poucos, as empresas de turismo estão entendendo que é necessário uma mudança drástica nos rumos de suas estruturas e se apercebem de que a consultoria pode ser um caminho mais rápido e rentável. O papel do consultor, que é um elemento estranho e sobretudo que deseja buscar soluções para uma adequação melhor  ao mercado altamente competitivo  de um empreendimento, é uma busca de inovação e novas técnicas de administração. O consultor é alguém que vem imbuído de uma vontade enorme de triunfo profissional mas que não tem efetiva ingerência nas mudanças que podem ser feitas.

Vislumbro que empresas de turismo são geralmente familiares e com pouco conhecimento de gestão. Vivem muito mais de um glamour proporcionado por um mercado onde cartões de visita com o título de presidente ou diretor geral escondem uma pequena sala sem um plano de ação e recordam-se de viagens, eventos organizados outrora. Assim, ele vai tentar uma solução mercadológica para um empreendimento de pequeno porte mas com capacidade de triunfo e com muito cuidado para não acabar com o sonho que o turismo deixa dentro de cada profissional. .

No fundo, o que todos buscam ao contratar uma consultoria é uma metodologia que pode trazer resultados mais eficazes. A   palavra chave da consultoria é otimizar processos de gestão com uma linha de pensamento e ação,construída na vivência dos colaboradores da empresa e sobretudo em seus pontos positivos. A revolução feita deve ter o apoio dos funcionários e ser um norte para os proprietários.

Hoje, nossa função não é mais apenas vender palestras ou programas de capacitação, nem de encontrar soluções miraculosas ou aniquilar o trabalho existente e propor um novo modelo mas sobretudo buscar nos  talentos existentes uma forma de trabalhar com sucesso e sendo feliz. Acredito que o profissional que desempenha uma função que lhe dá alegria é um instrumento de  rentabilidade e resposta financeira.

Consultores não podem ser aposentados. Tiveram sucesso um dia mas precisam estar em constante interação com a atividade .O mais importante é que sejam referência na modernidade e na inovação do pensamento contemporâneo de mudança contínua. Assim, não só assessorar aqueles que querem abrir novas empresas mas desejam conhecer melhor a atividade, com um planejamento real mas sobretudo aqueles que estão passando por uma crise e podem facilmente se levantar, se tiverem a coragem de mudar e recomeçar.

* Bayard Do Coutto Boiteux, escritor, pesquisador e professor do curso de MBA em Turismo da Ucam, preside o site Consultoria em Turismo.

Tags: . bayard, aberta, coluna, coutto, Sociedade

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.