Jornal do Brasil

Sexta-feira, 25 de Julho de 2014

País - Sociedade Aberta

É possível viver a fé no ambiente virtual?

Geraldo Trindade*

Cada dia mais a internet, com suas ferramentas e opções, está presente na vida das pessoas. Ela nasceu de uma experiência militar norte-americana com a finalidade de conectar computadores em diversas partes do mundo. A partir de então, estendeu-se até as universidades e de lá para o planeta e o cotidiano das pessoas. Por meio do ambiente virtual está-se presente em toda a parte do planeta, comunica-se, divulga-se cultura, conhecimento, pensamento religioso... 

Como inserir a mensagem do Evangelho neste universo? E a experiência de fé? E a realidade comunitária-eclesial? Não basta ser simplista e pensar em “entrar” neste mundo digital; é preciso refletir em como estar nele.

A Igreja encara os meios de comunicação como dons de Deus, capazes de criar laços entre as pessoas, além de desempenharem um papel social na sociedade e na história. É impossível não perceber a importância e a centralidade que os meios de comunicação social conquistaram em nossa sociedade.

Cristo revelou-se na história e operou nela a salvação. Ele é a “grande comunicação” do Pai com o mundo. Desde então, a Igreja é, desta preciosa dádiva, guardiã e portadora. Ela guarda a fé; mas também é comunicadora deste depósito. Por isso, a comunicação pertence à essência da Igreja. No dizer do santo João Paulo II, as novas mídias são como “o primeiro areópago dos tempos modernos”. Mesmo que estes meios de comunicação pareçam separados da mensagem cristã, eles oferecem oportunidades únicas para o anúncio do amor e da salvação de Cristo.

A Igreja Católica cada vez mais se insere no mundo digital, por meio de sites, blogs, vídeos, redes sociais, palestras, músicas, aplicativos... Tudo isso faz parte da obra de evangelização e enriquece a vida da Igreja, pois ela precisa dialogar com o ser humano de nosso tempo. Trata-se de comunicar a fé com novas expressões e maneiras atuais, mas a verdade da fé é a mesma: o anúncio da Boa-Nova de Jesus Cristo por meio da proclamação do Evangelho e do testemunho.

Em um mundo indiferente e até hostil à fé cristã, a Jesus Cristo e ao Evangelho é preciso nutrir um desejo ardente de comunicar, de evangelizar no mundo real e virtual. O Evangelho é uma mensagem globalizada, e as verdades da fé estão abertas a todas as pessoas e culturas. Mesmo o homem pós-moderno, vazio, materialista e carente, só encontrará razão de ser em Cristo Jesus. São mais de 6 bilhões de seres humanos. Destes, 33% nem ouviram falar de Jesus. Por isso, é importante que se lance mão da internet de maneira criativa para que se assumam as responsabilidades de nossa fé e ajudemos a Igreja a cumprir sua missão.

No dia 1º de junho comemora-se o Dia Mundial das Comunicações Sociais, este ano com o tema: Comunicação ao serviço de uma autêntica cultura do encontro. O papa Francisco convida a criar proximidade, união, solidariedade e encontro por meio das oportunidades que os meios de comunicação favorecem. A conquista da comunicação deve ser mais humana que tecnológica. O convite do papa é que se abram as portas da Igreja ao mundo digital para que o Evangelho cruze as paredes do templo e vá ao encontro de todos. Ele nos convida a refletir: Somos chamados a testemunhar uma Igreja que seja casa de todos. Seremos nós capazes de comunicar o rosto de uma Igreja assim?” As redes sociais e a internet de modo geral são lugares onde se pode viver a vocação missionária da Igreja, de redescobrir a beleza da fé e a beleza do encontro com Cristo. É preciso nos encantarmos por uma Igreja que consiga levar calor e inflamar o coração, “uma igreja companheira de estrada, que sabe pôr-se a caminho com todos.

O diálogo entre a Igreja e o mundo ajuda que ela informe sobre o seu credo, explique as razões de sua fé e eduque catequeticamente melhor. A internet é, por isso, uma porta maravilhosa e fascinante, que, usada de forma segura, sadia e verdadeira é capaz de promover um novo anúncio de Jesus, de tal maneira que, cada vez mais, ouça-se falar do amor que Deus nos comunicou em seu Filho, Jesus Cristo.

Porém, a realidade virtual não substitui a presença real de Cristo na Eucaristia, a comunidade, os sacramentos, a liturgia, a proclamação imediata e direta do Evangelho. Mas os novos meios de comunicação podem completar, atraindo as pessoas para uma experiência mais integral da fé e enriquecendo a vida religiosa e catecumenal.  

 

*Geraldo Trindade é diácono, da arquidiocese de Mariana. - http://pensarparalelo.blogspot.com

 

Tags: aberta, coluna, Geraldo, Sociedade, trindade

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.