Jornal do Brasil

Terça-feira, 2 de Setembro de 2014

País - Sociedade Aberta

Um Nobel para Manoel de Barros

Wander Lourenço*

Desde o encantamento de João Cabral de Melo Neto – sim, porque o mestre João Rosa, espécie de primogênito literário do autor de Gramática expositiva do chão, dizia que as pessoas não morrem, ficam encantadas, todavia –, um certo Manoel que, em sua assinatura e graça contrariaria a própria grafia lusitana, assumiu o bastão de excelência da poesia brasileira como o mais inspirado representante do Olimpo deste Éden brasilis, acompanhado de muito perto por um pós-concretismo social de Ferreira Gullar do Poema sujoe da afluência mítica de Carlos Nejar d’Os viventes. Mesmo a incluir-se em todo o panteão de bardos pátrios, com Carlos Drummond de Andrade a assumir o leme da Nau Capitania lírica e outro Manuel, o Bandeira de Carnaval e Evocação ao Recife, de modo a secundar a antológica exclamação “Terra à vista”, o poeta mato-grossense Manoel de Barros há de figurar entre os expoentes máximos da lírica da “Última flor do Lácio”, que ousaram desobedecer a Zeus, Luís de Camões e os orixás da Bahia de Todos Os Santos de Gregório de Matos e Guerra, conforme o fizera Vinícius de Moraes.

É preciso atentar para o artista da palavra que, quiçá em sua “agramática ignorança”, certa feita predisse que o responsável pela dimensão humana “é a alma, o olho alma, depois a metragem, para reivindicar em nome deste genial sujeito um galardão do calibre de um Nobel de Literatura, quando inopinadamente profere que: “Maior que o infinito é a encomenda.” NoTratado das grandezas ínfimas”, consoante sua didática da invenção, haveria de estar escrito que a definição de Poesia se adivinha “quando a tarde está competente para dálias”.  Destarte, a poesia de Manoel de Barros adentra o pensamento mais racional para desarrumar a pirâmide das ideias, com frases encantatórias em disfarces de assovio da flauta de Orfeu, quando a criança o leitor a escutar a cor dos passarinhos.

É verdade que foi Manoel de Barros quem nos ensinou que “as coisas não querem mais ser vistas por pessoas razoáveis”, por predileção de serem “olhadas de azul”. Porém, não seria presumível advogar pela causa da premiação em homenagem ao homem que, em língua portuguesa, entre os escritores lusófonos contemporâneos decerto há de ser o que mais estaria em condição de igualar-se a José Saramago pelo prestígio que o Brasil ainda não obteve da academia sueca, ao contrário do México de Octavio Paz, do Chile de Pablo Neruda, da fabulosa Macondo colombiana de García Márquez e agora também do Peru de um magistral Vargas Llhosa de Conversa na catedral. Quando o Carlos Nejar foi indicado ao Nobel, em 2013, pela Academia Brasileira de Filosofia, em entrevista para o documentário Dom Quixote dos pampas, a acadêmica Nélida Piñon ao ser indagada se haveria alguma possibilidade de o poeta, tradutor e ensaísta gaúcho abocanhar o prêmio máximo da literatura universal, a ficcionista de Uma canção para Caetana pediu que desligássemos a câmera para nos afirmar que não se sentiria à vontade ao abordar a referida temática, de vez que de certa maneira todos os confrades da ABL vislumbravam ser agraciados com tal reconhecimento internacional.

Em retorno ao barro do Manoel, por não ter “habilidade para clarezas”, em sua “sabedoria mineral” do “Auto-retrato falado”, o eu-lírico se apresenta ao leitor como “Venho de um Cuiabá de garimpos e de ruelas entortadas. / Meu pai teve uma venda no Beco da Marinha, onde nasci. / Me criei no Pantanal de Corumbá entre bichos do chão, / aves, pessoas humildes, árvores e rios. / Aprecio viver em lugares decadentes por gosto de estar / entre pedras e lagartos. [...] Me procurei a vida inteira e não me achei — pelo que fui salvo. [...] Estou na categoria de sofrer do moral porque só faço / coisas inúteis”.

Ao recriar criar os seus ‘inutensílios’, como a exemplo do abridor de amanhecer, o bardo pantaneiro chama a atenção para o fato de que tudo aquilo que a civilização “rejeita, pisa e mija em cima” serviria para a Poesia. E assim como aquela rã que se achava importante, porque era o  rio que passava em suas margens e estava ao pé dela, poder-se-ia dizer que o Nobel que se abeira da obra poética de Manoel de Barros só não gorjearia ainda mais a sua importância por estar aos pés deste magnífico Menino nonagenário que, de tanto carregar água na peneira, fez uma pedra da flor.

*Wander Lourenço de Oliveira, doutor em letras pela UFF e pós-doutorando da Universidade de Lisboa, é professor universitário e autor de diversos livros, entre os quais, ‘O enigma Diadorim’ (Nitpress) e ‘Antologia teatral’ (Ed. Macabéa). - wanderlourenco@uol.com.br    

Tags: aberta, Artigo, JB, Sociedade, texto

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.