Jornal do Brasil

Sábado, 30 de Agosto de 2014

País - Sociedade Aberta

A importância da gestão de resíduos nos empreendimentos 

Tereza Cristina Silveira de Andrade*

Em tempos de sustentabilidade e num cenário de grandes transformações econômicas, tecnológicas e sociais, uma reflexão sobre a aplicação da Lei 12.305/2010, que trata da Política Nacional de Resíduos Sólidos, é oportuna e pertinente, pois conclama a sociedade a refletir sobre o tripé da sustentabilidade, em que o ambiental, o social e o econômico devem estar juntos num processo equilibrado.

O grande diferencial dessa lei e seu maior desafio é que ela se aplica aos mais diversos setores da economia e convoca todos os atores sociais a adotarem novas práticas para a gestão de resíduos. Dentro dessa amplitude de aplicação, o comércio em geral, mais especificamente o varejo, já vem sentindo os impactos da necessidade de gerenciar corretamente os resíduos gerados, o que vai além de uma simples coleta do lixo produzido. Atualmente, condomínios comerciais, residenciais, shoppings, associações comerciais, supermercados, ou seja, todos estão convidados a estabelecer metas e descobrir formas de fazer melhor.

Utilizando o shopping como exemplo de um grande gerador de resíduos dos mais diferentes tipos, fica clara a obrigatoriedade da elaboração de um plano de gerenciamento de resíduos, e, em muitos casos, a experiência bem sucedida pode até gerar receita e cumprir determinação legal. Já existem alguns exemplos bem interessantes de shoppings colocando em prática esses movimentos. Entre elas, podemos citar a do Shopping Metrópole, com foco na separação e na destinação correta dos resíduos produzidos, que garantem a redução do lixo enviado aos aterros sanitários. Segundo os executivos do local, o objetivo é realizar diversas ações com a meta de minimizar os impactos no meio ambiente.

Para realizar a coleta correta, o empreendimento promove campanhas de conscientização com os lojistas, funcionários e consumidores, e trabalha com empresas certificadas, de acordo com a legislação vigente. Houve melhorias na destinação dos resíduos, a adequação de espaço, como docas, e instalação de compactadores de papel e plástico. O resultado desses investimentos superou a expectativa do centro de compras. A meta de reciclagem para 2013 foi de 29% e, até o mês de agosto, esse número foi superado, já que mais de 50% dos detritos foram reciclados.

Um shopping da Região Sul de São Paulo trabalha há mais de quatro anos a ideia da sustentabilidade na gestão de seus resíduos com grande sucesso, e o Boulevard Londrina Shopping já iniciou suas atividades em maio do ano passado, considerando toda a estrutura para instalação de um Programa de Gestão de Resíduos Sólidos desde a concepção do projeto.

Seguindo esta tendência, são vários os shoppings que têm aderido a um projeto específico, composto, geralmente, por equipe multidisciplinar, desenvolvido em várias etapas e com a reciclagem na fonte, de acordo com as regras pertinentes previstas na Resolução Conama 275/2001. Todo o projeto está baseado em treinamento e envolvimento de equipes, e a criação de cartilha ambiental customizada é um diferencial na sua implementação. O sucesso do programa está em considerar a educação ambiental e a participação ativa dos lojistas como ponto-chave e inicial do programa. A reciclagem e a correta destinação dos resíduos é consequência e não causa primária. Após intenso trabalho e interação com os geradores do shopping, a disposição final é simples, direta e ambientalmente correta.

A implantação do programa tem gerado resultados positivos, tanto no aspecto ambiental como econômico e social, pois os treinamentos têm sido feitos com os agentes de asseio e conservação do shopping, bem como com todos os participantes do empreendimento. Os treinamentos periódicos aplicados a todos os funcionários servem não só para o desenvolvimento correto do trabalho mas também para a vida pessoal de cada um, pois ensinamos a todos que evitar aterro, buscar soluções que minimizem o descarte indevido e pensar e repensar os costumes diários de consumo são atitudes de uma vida mais saudável, integrada com a natureza e com a opção de um futuro melhor.

Neste sentido e contexto, evitar o desperdício, adotar hábitos mais justos sob o ponto de vista ambiental, avaliar os produtos disponíveis no mercado, considerando um consumo consciente, passa a ser uma escolha do modo de viver neste planeta, e ele com certeza agradece.    

* Tereza Cristina Silveira de Andrade é sócia-fundadora da Andrade Paulista – Soluções Sustentáveis e atua no mercado de soluções ambientais há mais de 25 anos.   

Tags: aberta, Artigo, JB, Sociedade, texto

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.