Jornal do Brasil

Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2014

País - Sociedade Aberta

As lições de Corina Machado

Como chamar as coisas pelo nome e defender a democracia

Eduardo Miranda * 

Acompanho, com atenção e perplexidade, o acelerado processo de deterioração política e institucional da Venezuela, a partir de uma eleição com resultados questionáveis e que dividiu definitivamente aquele país em dois  blocos irremediavelmente antagônicos. Um país que se sustentava exclusivamente pela figura popularesca, centralizadora, caricata, falsamente messiânica, eu diria delirante,  de Hugo Chávez, se viu confrontado com a dura realidade de anos de descaso, má gestão e primarismo econômico. 

Agora o senhor Maduro claudica em face  a um desabastecimento inaceitável, com um descontrole institucional difuso e progressivo. Nesse ambiente surgem lideranças combativas, engajadas, democratas e defensoras da justiça, da lei e do direito. Essas figuras se destacam como verdadeiras guardiãs da pátria que periclita, suas defensoras incondicionais e indispensáveis.

Assim surgiu a deputada Maria Corina Machado. Altiva, incisiva, verdadeira e clara, como soi acontecer nessa quadra turva da Venezuela e como exigem as circunstância atuais daquele país. O governo autoritário, francamente ditatorial, que patrocina e estimula milícias treinadas em Cuba, cassou, arbitrariamente, o mandato da nobre política, mas não pode cercear a sua palavra nem engessar sua energia vital.

Ela depôs na Comissão de Relações Exteriores do Senado neste 2 de abril. Afirmou em entrevista ao repórter Carlos Monfort:  “A Carta Democrática Interamericana, assinada por todos os países da Organização dos Estados Americanos,  está sendo violada de maneira sistemática na Venezuela. O que precisa acontecer para que os democratas de todo o mundo, em particular deste grande país (o Brasil ) chamem as coisas pelo nome?  

Ouçamos a lição de Maria Corina: Vamos chamar as coisas pelo nome!

* Eduardo Miranda é cirurgião oncologista e professor da UPE. - emiranda.onco@gmail.com

Tags: aberta, coluna, eduardo, Miranda, Sociedade

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.