Jornal do Brasil

Segunda-feira, 15 de Setembro de 2014

País - Sociedade Aberta

O federalismo empresarial

Tarcisio Padilha Junior* 

Captar o máximo possível de informações para ser competitiva leva a empresa a multiplicar as conexões e as relações. Ela deve permanentemente conciliar as necessidades do segredo que protege e da abertura que informa. Atualmente a definição das relações da empresa com fornecedores e clientes requer um sem-número de pequenas decisões como parte da estratégia de negócios.

Não se trata mais de impor de cima para baixo uma direção comum entre suas diferentes unidades mas de assegurar compatibilidade entre elas. A lógica das redes implica na multiplicação e portanto na descentralização das conexões; mas, ao mesmo tempo, deve ser capaz de preparar a convergência possível.

Em um mundo onde a complexidade se decompõe em elementos cada vez mais simples, o próprio desenvolvimento de mecanismos de mercado reintroduz hoje um pouco de previsibilidade entre os mais diversos concorrentes, tornando clara, pela forma contratual, uma necessária repartição de riscos.  

Os termos dessa repartição não são mais os mesmos a partir do momento em que a informação circula livremente. A massa de informações disponíveis que é necessário integrar aumenta de tal maneira que se torna dificilmente controlável, e a decisão corre o risco de ser indefinidamente retardada.

A boa gestão consiste em se organizar para reduzir ao mínimo o número das grandes decisões, cujo papel só continua determinante em três funções essenciais: a adoção de procedimentos que estimulem o bom funcionamento da rede e da circulação da informação, a alocação de recursos de capital entre as diferentes unidades e a consolidação do sentimento de fazer parte da comunidade empresarial.

Hoje, circulação da informação, transparência e integridade são condições para a ação eficaz dos agentes econômicos, no interior da empresa, da mesma maneira que nas relações entre empresas. As escolhas que definem uma empresa moderna são exatamente as mesmas que cada comunidade humana tem de fazer e que a distingue das outras comunidades: a opção entre a transparência e o segredo.

Hoje a própria fluidez da economia torna precários diversos inter-relacionamentos entre empresas. O federalismo empresarial é bem diferente do federalismo clássico a que o pensamento político nos habitou. 

* Tarcisio Padilha Junior é engenheiro.  

Tags: circulação, condições, da informação, e integridade, hoje, são, transparência

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.