Jornal do Brasil

Sexta-feira, 28 de Novembro de 2014

País - Sociedade Aberta

Dia Mundial da Água: soluções existem e são possíveis

Adriano Gagliardi Colabono*

O acesso à água potável pode ser a diferença entre a vida e a morte. Da água dependem a vida humana, a produção de alimentos, a atividade pecuária, a precaução contra doenças, entre outros aspectos para os quais ela é fundamental. A água é base para todo o ciclo de vida do planeta. No mundo, 97% dela está na forma salgada e apenas 3% é doce. Desses 3%, somente 0,5% está disponível para consumo e os outros 2,5% está na forma de gelo. E, ainda, do percentual próprio para consumo, entre 16 e 17% está no Brasil, o que equivale a 0,085% do total.  

Isto tudo, entretanto, não é novidade, como não é ainda suficiente a prestação de serviços de distribuição de água e tratamento de esgoto no país. O fato de o Brasil ser berço de muitas nascentes e ser cortado por importantes rios e mananciais não garante água de qualidade a todos os brasileiros. O Dia Mundial da Água, comemorado em 22 de março, é uma ocasião bastante propícia para avaliar essas e outras questões.

Nunca é demais observar as condições relativas a saneamento no Brasil. Dados do Ministério das Cidades apontam para fatos que chegam a ser alarmantes: a distribuição de água atinge 82,4% da população do país, somando-se áreas urbanas e rurais; a coleta de esgotos chega a 48,1% dos brasileiros e, do esgoto gerado, apenas 37,5% recebem algum tipo de tratamento; a perda média de água na distribuição alcança 38,8%.

Foram investidos nessas áreas R$ 8,4 bilhões e o crescimento das ligações foi de 1,4 milhão de ramais de água e 1,3 milhão na rede de esgotos. Os números referem-se ao ano de 2011. No entanto, no Brasil, 7 milhões de habitantes ainda não têm acesso a banheiro, segundo o estudo Progress on Sanitation and Drinking Water, da OMS/UNICEF.

De acordo com o estudo De Olho no PAC, realizado pelo Instituto Trata Brasil, das 138 grandes obras de saneamento em municípios acima de 500 mil habitantes, somente 14% foram concluídas até dezembro de 2012 e 90 delas estavam paralisadas, atrasadas ou não iniciadas.

A falta de um gerenciamento eficiente do setor e um programa de investimentos que de fato transforme a realidade do país provoca diversos efeitos negativos, seja de ordem financeira ou de sade pblica.

Levantamento do mesmo Instituto indica que, em 2010, chegaram a 37,5% as perdas de faturamento das operadoras, devido a vazamentos, roubos e ligações clandestinas, falta de medição ou medições incorretas no consumo de água. A redução de apenas 10% nas perdas no país agregaria R$ 1,3 bilhão à receita operacional com a água, equivalente a 42% do investimento realizado, naquele ano, em abastecimento.

É alarmante que, ainda em nossos dias, 88% das mortes por diarreias no mundo são causadas pelo saneamento inadequado. Em 2011, no Brasil, 396.048 pessoas foram internadas por diarreia, das quais 138.447 eram crianças menores de 5 anos (35% do total). Com estes casos, foram gastos R$ 140 milhões pelo Sistema Único de Sade.

A realidade pode e precisa ser transformada e as tecnologias disponíveis no mercado são acessíveis a cidades e imóveis de todos os portes, residenciais, comerciais ou industriais, inclusive dentro dos conceitos de construção verde. Isto, graças a soluções dedicadas e customizadas, indicadas para diferentes projetos sanitários e construtivos.

São projetos de estações pré-fabricadas para tratamento de esgoto sanitário (ETEs), que permitem o reúso da água tratada para fins não potáveis, o que significa preservação dos recursos hídricos, redução da poluição de rios e mananciais, menor necessidade de aplicação de recursos no tratamento do esgoto, menos casos de doenças e melhor qualidade de vida. Num país grande e complexo como Brasil, sabe-se que a resolução de problemas não é rápida nem fácil, mas é possível e se faz urgente.

* Adriano Gagliardi Colabono, coordenador comercial interino, é supervisor de engenharia de aplicação da Unidade de Negócios Mizumo - referência nacional em projetos para estações pré-fabricadas para tratamento de esgoto sanitário.

Tags: casos, de doenças, do esgoto, e melhor, menos, qualidade, tratamento

Compartilhe:

Comentários

1 comentário
  • Reinaldo Faria Tavares

    O aquífero Guarani será preservado para que ocasião?
    E diga-se que ele é naturalmente abastecido.

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.