Jornal do Brasil

Sábado, 22 de Novembro de 2014

País - Sociedade Aberta

Cuidados com a Declaração do Imposto de Renda 2014

Mariana dos Santos*

Nos dois próximos meses (até 30 de abril), boa parte dos brasileiros terá que prestar contas de seus rendimentos à Receita Federal, através da Declaração de Imposto de Renda de Pessoa Física. A dica do coordenador do curso de ciências contábeis da Faculdade Santa Marcelina (Fasm), Reginaldo Gonçalves, é para que o contribuinte fique atento às alternativas que possam diminuir a mordida do Leão, mas com cautela para evitar a famosa malha fina em decorrência de dados inconsistentes.

“Há detalhes importantes a serem observados, que podem ajudar na redução do tributo devido. Mas o contribuinte deve ficar atento também porque esses mesmos detalhes podem prejudicá-lo, caso a declaração não atenda às determinações da Receita Federal”, aponta ele.

O que deve ser observado:

1) O limite de obrigatoriedade de declaração. Com o reajuste da tabela em 4,5%, indivíduos que não faziam a declaração agora passam a ter obrigação de fazê-la. Veja os casos:

* Rendimentos tributáveis acima de R$ 25.661,70 (inclui remuneração relacionada a salários, aluguéis, serviços prestados, etc);

* Rendimentos isentos, não tributáveis e tributáveis exclusivamente na fonte acima de R$ 40.000,00 (indenizações, ganho na venda de Imóveis, rendimento de aplicações financeiras, etc);

* Bens acima de R$ 300.000,00 e investimento em ações.

2) Verificar qual modelo é mais adequado ao caso: simplificado ou completo. No simplificado não é necessária comprovação dos gastos, sendo considerado desconto padrão de 20% sobre os rendimentos tributáveis com limite até R$ 15.195,02. Se houver gastos comprováveis por documentação com médicos, dentistas, psicólogos, ensino, entre outros permitidos, e que ultrapassar o cálculo apurado de 20%, o melhor é optar pela declaração completa.

3) Contribuintes com mais de uma fonte de renda devem declarar todas. É comum os indivíduos incluírem apenas a fonte principal. A Receita está cruzando informações, identificando as declarações incompletas e cobrando a diferença. Portanto, atenção!

4) Declaração entre cônjuges. Se os dois trabalham, o ideal é efetuar a declaração em separado. Na maior parte dos casos é melhor abrir mão da dedução de dependência e não efetuar a declaração conjunta.

5) Separe todos os documentos comprobatórios e deixe tudo organizado para o caso de a Receita pedir alguma comprovação ou esclarecimento.

6) Prepare a declaração o quanto antes para ter tempo de se ajustar a possíveis surpresas, como o levantamento de informações adicionais ou a necessidade de juntar documentos específicos. Com tempo hábil, tudo fica mais fácil. Lembre-se de que entregar a declaração com atraso gera multa, e optar por uma declaração retificadora sempre traz trabalho adicional.

* Mariana dos Santos é jornalista da  Faculdade Santa Marcelina. - mariana.santos@viveiros.com.br

Tags: adequado, ao caso, é mais, modelo, qual, verificar

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.