Jornal do Brasil

Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2014

País - Sociedade Aberta

Uma razão ampliada

Tarcisio Padilha Junior* 

O desenvolvimento tecnológico cria condições tais que não podemos mais confiar no simples jogo dos mecanismos naturais. O exemplo da ecologia é notável. O volume de intervenções tecnológicas sobre o meio exterior tornou-se tal que os mecanismos graças aos quais eram assegurados os equilíbrios favoráveis à vida não se encontram mais em condições de funcionar de maneira adequada.

A tecnologia faz aparecer situações novas que exigem um esforço específico de criação ética, não somente no nível das decisões concretas que devem ser tomadas no decurso da ação mas no nível mesmo dos princípios à luz dos quais podem ser tomadas decisões. A tarefa proposta à ação atualmente consiste em assumir o mais conscientemente possível o funcionamento dos sistemas tecnológicos.

Nada garante que as finalidades dos sistemas tecnológicos marchem sempre e necessariamente no sentido das finalidades que a moderna sociedade em rede pode propor-se e, em especial, das finalidades de ordem ética que ela pode fazer valer em seus diferentes setores de atividade – particularmente no setor político que diz respeito, de modo direto e estrito, ao devir da coletividade.

Os sistemas produzidos pelo homem só podem subsistir e, eventualmente, desenvolver-se pelos intercâmbios que mantêm com a ação e sua criatividade original. Compete à ação, enquanto constitui o lugar de uma interação generalizada entre os sistemas, pôr os sistemas tecnológicos em comunicação com os recursos fornecidos pela cultura na ordem do sentido e na ordem das finalidades.

Um projeto tecnológico só vale relativamente aos meios que ele se propõe mobilizar e às ideias diretrizes que inspiram a sua orientação. O que se exige hoje da tecnologia é que possa ir até o ponto em que os limites possam ser evidenciados e verdadeiramente compreendidos. Os projetos são os objetivos concretos, devem criar as condições que permitam à existência conferir-se um sentido.

Há uma tentativa de tomada de consciência dos limites do desenvolvimento tecnológico, que é profundamente significativa. Trata-se de redescobrir, à luz do que a tecnologia nos faz ver, da experiência que ela nos fornece de um uso particular mas eficaz da razão – o que pode vir a ser uma razão ampliada.

* Tarcisio Padilha Junior é engenheiro.

Tags: concretos, criar, devem, Objetivos, os, projetos, são

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.