Jornal do Brasil

Segunda-feira, 22 de Dezembro de 2014

País - Sociedade Aberta

Salve o carteiro

João Baptista Herkenhoff*

Este mundo precisa das mais diversas profissões e ofícios, igualmente credores de valorização e respeito, desde que desempenhados com honestidade. Por isso, em meus artigos tenho exaltado mltiplas atividades humanas: o fotógrafo, o sacerdote e o guia religioso em geral, o psicanalista, o professor, o jornalista, o escritor, o empregado doméstico, o politico, o ambientalista, o jardineiro, o ator, o músico, o médico, o jornaleiro, o bibliotecário, o magistrado, o advogado, o policial.

Se o jardineiro não cuida das flores, a cidade será insípida e sem alma. Se os músicos não comparecem no coreto da praça, a gente sofrida não poderá se despedir da dor “pra ver a banda passar cantando coisas de amor” (Chico Buarque).

Desta vez desejo homenagear o carteiro. Se o carteiro não entrega as cartas, o avô não receberá o cartão que, de terras distantes, a neta lhe envia. Não foi sem motivo que Pablo Neruda atingiu culminâncias em O carteiro e o poeta. Numa remota ilha do Mediterrâneo, um carteiro recebe a ajuda do poeta Pablo Neruda para, através da poesia, conquistar o amor de Beatrice, a eleita. O carteiro, que era o mediador da correspondência do poeta, aprende, aos poucos, a traduzir em palavras seus sentimentos pela amada. Em troca, Mário, o carteiro, foi o interlocutor do poeta, mostrando-se capaz de ouvir suas lembranças do Chile e compreender as dores do exilado.

Sou do tempo das cartas por via postal, que carregavam um certo mistério. Aderi à internet pela praticidade da comunicação através deste grandioso invento, mas tenho saudade das cartas de antigamente. Os e-mails também podem transmitir sensibilidade, mas as cartas tinham um sabor especial.

Guardo todas as cartas que recebi de minha esposa quando éramos namorados. Como ela também guardou as que mandei, temos em nosso arquivo todas as cartas que trocamos.

Reli, nestas férias, Cartas do pai, escritas por Alceu Amoroso Lima, para Maria Teresa, sua filha freira. Nessa correspondência, Alceu, cujo pseudônimo literário era Tristão de Athayde, examina os fatos do dia, no Brasil e no mundo, com aquele olhar de fé que sempre o caracterizou. A publicação das Cartas do pai foi o resgate da travessia terrena de uma das mais dignas figuras da história contemporânea brasileira. Coerente, intrépido, comprometido com o bem comum, Alceu personificou durante sua vida esse catálogo de virtudes cívicas através das quais é possível construir uma verdadeira nação.

Salve o carteiro, este trabalhador que transforma as cartas em poemas, as folhas de papel em flores perfumadas, o insípido da vida em alegria transbordante.

* João Baptista Herkenhoff, juiz de direito aposentado, é professor e escritor. - jbherkenhoff@uol.com.br

Tags: alceu, amoroso, cartas, do pai, escritas, Lima, por

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.