Jornal do Brasil

Quarta-feira, 1 de Outubro de 2014

País - Sociedade Aberta

Carta à Diocese de Valença

Dom Nelson Francelino Ferreira*

Carta à Diocese de Valença, a Dom Elias, aos presbíteros, aos religiosos e religiosas, a todos os fiéis, às autoridades constituídas dos nove municípios que compõem a Diocese.

“...Uma pessoa que não é humilde , não pode sentir com a Igreja, sentirá aquilo que lhe agrada...há três pilares de pertença a Igreja, de sentir-se Igreja: a humildade,  a fidelidade e a oração pela Igreja... Amar Cristo sem a Igreja é uma dicotomia absurda....” (Papa Francisco).

Paz e bênçãos no Senhor!

Foi com alegria e temor que recebi a comunicação, através de S. Exª Revª Dom Giovanni d’Aniello, Núncio Apostólico, a nomeação de Bispo da Diocese de Valença no Estado de Rio de Janeiro. Alegria - porque é uma missão confiada por Deus, através de Sua Santidade, o Papa Francisco e, portanto, um pedido da Santa Mãe Igreja. O temor - esse se justifica, porque essa função ultrapassa todos os limites do meu ser, pequeno e frágil, e os desafios da Messe do Senhor são sempre muito grandes. Ser Bispo não é uma honra, mas um serviço e, por isso, respondi SIM ao chamado para assumir o pastoreio dessa Diocese, que mesmo sem conhecê-la em profundidade, já posso dizer que a amo intensamente. Aqui no Rio, Muitos amigos que conhecem a Diocese de Valença e vivem nessa região, falam coisas muito bonitas, o que aumenta ainda mais as minhas expectativas.

Desejo caminhar junto com todos os que aí já trabalham clero, Religioso(as), agentes das Pastorais, seminaristas, sempre em comunhão com a Igreja, com o Santo Padre, o Papa Francisco, com os Bispos do Leste I, e com as equipes de trabalho, ministérios, associações religiosas e com todo o povo e autoridades desses 09 municípios que compõem essa Diocese. Quero, com paciência e caridade, conhecer, ouvir, refletir, esperar e acolher sempre. Que o Bom Deus nos ajude e nos oriente.

Com reverência, desejo saudar Excelentíssimo Senhor Bispo, agora emérito, Dom Elias James Manning, por quem sempre nutri um apreço todo especial pela sua seriedade, humildade e profundidade Pastoral, substituí-lo será um grande desafio que o farei, contando com a sua oração, apoio e amizade. Reitero a disposição de caminhar com essa igreja, assumindo a sua história e o seu caminhar quase secular.

Quero, com muito carinho e respeito, saudar paternalmente os Sacerdotes, os Diáconos, os Seminaristas, os Religiosos, as Religiosas e todos os consagrados presentes nessa porção do Povo de Deus. Conto com a motivação de todos para que a nossa ação seja impregnada do Espírito de Cristo e atinja mais eficazmente o seu fim, na caridade e na paz; Quero saudar os cristãos leigos e leigas, que na,  diversidade de seus dons, desempenham o seu trabalho no amor a Deus e à Igreja; quero saudar os irmãos e irmãs de outras Igrejas Cristãs e confissões religiosas, as autoridades constituídas e todos os que nessa Diocese desempenham ações e assumem encargos e serviços em prol da população. Que possamos juntos e na mesma convicção trabalhar para que a vida humana seja, cada vez mais, respeitada e promovida. Que todos juntos, alimentando-nos da Palavra e da Eucaristia, consigamos realizar aquilo que o Espírito Santo nos inspirar e fazermos sempre a vontade do Pai.

A messe é grande e os desafios são muitos, tais como: A família, a juventude, os pobres e marginalizados, os que sofrem preconceitos e discriminação, os enfermos, os idosos, os que sofrem na solidão. Os pequeninos que o Pai tanto ama esperam de nós, particularmente do Bispo, uma palavra de fé e de esperança para que possam vislumbrar uma saída e encontrar caminhos novos. Diante de tais desafios tenho consciência de que, sem comunhão e diálogo com os vários organismos diocesanos e culturais pouco se poderá fazer. Quero também que o meu ministério nessa nova Diocese seja um “serviço à Esperança” neste mundo de tantos desencantos, onde a utopia perdeu a sua força inspiradora. A esperança é para a alma o mesmo que a chuva é para a terra. Sem esperança nos tornamos criaturas tristes, de alma ressequida. Sei que não faltarão desafios. Porém, aprendi com minha mãe, uma imigrante nordestina que veio para o Rio de Janeiro em busca de nova terra, a não temer desafios, pelo contrário, aprendi a ver neles oportunidades, um estímulo para a caminhada, uma força onde se tempera o espírito e o caráter. Para esse trabalho, conto com a ajuda de todos, sobretudo, com a força da Juventude nesses tempos de pós JMJ. Como Igreja missionária precisamos sempre avançar para as águas mais profundas – sem medos – em busca de tantos destinatários do Evangelho.

Pretendo dar uma especial atenção à Pastoral Vocacional. Espero que com a colaboração dos padres seja possível fazer crescer as vocações ao sacerdócio e á vida religiosa nos próximos anos, pedindo a Deus que mande bons operários para a sua messe. Não restringindo a pastoral vocacional apenas padres e freiras, mas atenta a todas as necessidades da Igreja. Portanto, promovendo uma Pastoral Vocacional aberta a todas as Inspirações de Deus, que reconheça carismas e incentive as pessoas nos diversos serviços, para a construção de uma Igreja toda ministerial.

Uma nova experiência sempre gera ansiedades. “Mas o Senhor disse-me: Basta a minha graça” (2 Cor 12,9). Confesso-me a todos que sou frágil, por isso busco forças Naquele que me chamou. A oração é o meu alimento, onde ofereço com confiança o meu serviço, pois quero ser “servo pela caridade” (Gl 5,13). Peço a oração de todos para que, através de mim e através de todos os meus colaboradores diretos, seja feita a Vontade de Deus nessa Diocese.

Gostaria de retomar o pensamento de Santo Agostinho, sempre lembrado, quando se trata da comunitária figura do bispo: “atemoriza-me o que sou para vós; consola-me o que sou convosco. Pois para vós sou Bispo; convosco sou cristão. Aquilo é um dever; isto uma graça. O Primeiro é um perigo; o segundo, salvação”. O Encargo (ser Bispo) é mais bem exercido sob a linguagem de serviço. Que São Sebastião, Padroeiro da Diocese, interceda pelo nosso ministério e confiando-nos inteiramente aos cuidados de nossa Senhora, Mãe e Modelo da Igreja, para que consiga corresponder às expectativas e sempre exercer o Ministério com alegria e solicitude, em conformidade com tudo aquilo que fora semeado pelos meus ilustríssimos antecessores que marcaram com êxitos a história dessa porção do povo de Deus.

Dentro de dois meses encerro aqui, na Arquidiocese do Rio de Janeiro, os meus trabalhos de longos anos e parto para a Diocese de Valença. Conto com a oração de todos e espero contar com a presença de todos na missa de posse que  acontecerá  na Catedral da Diocese de Valença no dia 05 de abril de 2014 às 16 horas. Uma Bênção afetuosa á todos;

Rio de Janeiro 12 de Fevereiro de 2014.

*Dom Nelson Francelino Ferreira é o Bispo nomeado para a Diocese de Valença.

Tags: aqui, de dois, dentro, do, encerro, meses, na arquidiocese, Rio de Janeiro

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.