Jornal do Brasil

Terça-feira, 16 de Setembro de 2014

País - Sociedade Aberta

PF exige radiocomunicação em transportes de valores

Adriano Fachini*

Em decisão acertada, a diretoria executiva do Departamento de Polícia Federal voltou a exigir para o serviço de transporte de valores a utilização de equipamentos de radiocomunicação como meio principal de comunicação entre veículo e filial. Ademais, segundo a UIT (União Internacional de Telecomunicações), agência da ONU especializada em telecomunicações, a radiocomunicação é a ferramenta de comunicação mais eficaz no combate a situações de emergência e catástrofes em geral.

Dentre as principais tarefas da UIT está a organização, debate e estudos sobre o desenvolvimento do setor de telecomunicações em âmbito mundial. Para tanto, todos os países signatários da ONU (192 nações) participam enviando delegações, além dos principais fabricantes de produtos e operadoras de telecomunicações de todo o mundo.

Há na UIT grupos de estudos específicos dos diversos tipos de ferramentas de telecomunicações hoje disponíveis no mercado. Após avaliar todas as tecnologias existentes atualmente, a agência conclui que o meio de comunicação mais confiável é a radiocomunicação. Dentre as principais características desse serviço, a mais relevante de todas é o fato de ser instantânea. Simplesmente, aperta-se um botão e transmite-se a mensagem, em tempo real. Não precisa discar, digitar sequências de números ou letras, nem depende de torres, que numa emergência podem não funcionar — caso da telefonia móvel, por exemplo.

O despacho consta na Portaria 30.491/2013 — GAB/CGCSP, que pode ser lida na íntegra no site da Aerbras. Segundo parecer do próprio órgão, a decisão fulcra-se em aspectos práticos e científicos apontados por especialistas que entenderam ser a radiocomunicação o único meio de garantir comunicações instantâneas, especialmente nas chamadas ponto a ponto. Tais chamadas são necessárias no momento mais crítico da operação, em que a guarnição de dois ou três vigilantes deixam o carro forte e se encaminham até o caixa 24 horas para seu abastecimento. Muitos desses locais, como shopping centers e hipermercados, não possuem cobertura do serviço de telefonia móvel satisfatória, o qual vinha sendo utilizado como comunicação principal, fato que causou a morte de muitos vigilantes em situações como essa por falta de comunicação.

Nesse momento não pode haver falhas nas comunicações entre vigilantes e carro-forte e entre carro-forte e escritório da empresa de transporte de valores. Dados de 2013 apontam um aumento nos roubos ao setor no país. No estado de São Paulo subiram 250% no ano de 2102 em relação a 2011. O serviço móvel privativo, comumente chamado de serviço de telefonia celular, poderá ser utilizado como subsidiário ou complemento de comunicação em outros casos que não sejam de missão crítica.

* Adriano Fachini, empresário do setor de telecomunicações, é presidente da Aerbras (Associação das Empresas de Radiocomunicação do Brasil).

Tags: comunicações, falhas, haver, momento, não, nas, nesse, pode

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.