Jornal do Brasil

Quarta-feira, 23 de Abril de 2014

País - Sociedade Aberta

Como cumprir as promessas de ano novo?

Orlando Oda*

Ainda bem que existem ciclos: dia e noite, mês, ano. A cada novo ciclo, novo ânimo, nova promessa. Mas, o que fazer para materializar as novas metas? Se não mudar a forma de agir, o resultado será o mesmo de sempre. Tecnicamente, a causa apontada é a falta de foco, ou seja, falta de ação direcionada para concretizar o objetivo. O que mudar? Que providências tomar para cumprir as promessas este ano?

É fundamental entender como está estruturado e como funciona o mundo em que vivemos. Sem entender a estrutura funcional, desperdiçamos nossas forças porque as utilizamos no lugar errado, na hora errada, de forma errada.  É fácil entender a estrutura, agir corretamente e obter resultados positivos.

O mundo está estruturado em centro e subcentros. Sem um centro que comanda tudo fica desorganizado, nada funciona direito. A Terra segue o Sol. Se o Sol caminhar para o lado errado estamos “fritos” ou “gelados”. Os pequenos seres humanos que habitam a superfície de uma bolinha azul no universo nada podem fazer.

A primeira providência é mudar a sua atitude em relação a coisas que não pode alterar. Existem coisas que não podemos mudar, coisas em que podemos interferir e coisas pelas quais somos responsáveis diretos. Considere as coisas que não podemos mudar ou nelas só interferir como cenários da vida. Faça de conta que é um ator e precisa encenar utilizando os cenários disponíveis.

Um grande ator nunca perde tempo reclamando do cenário. Procura fazer o melhor dentro do espaço e tempo disponível. Fica focado no trabalho a realizar. Não adianta perder tempo querendo mudar o cenário. Ficar reclamando que está quente ou frio, se está claro ou escuro, só faz perder o foco. Saber distinguir o que é cenário é fundamental para não perder tempo, energia e foco.

A segunda providência é manter a distância certa para não entrar em rota de colisão, não criar desarmonia. Na Via Láctea, com mais de 100 bilhões de bolinhas, não acontecem colisões. Em São Paulo, com 7,5 milhões de veículos, há centenas de batidas diariamente. Os planetas não se chocam porque mantém a distância equilibrada: não se afastam e não se aproximam demais. A desarmonia leva a resultados destrutivos e à perda de tempo e energia para arrumar a encrenca.  Assim, a regra é: “custe o que custar, mantenha a harmonia, o equilíbrio”.

A terceira providência é seguir o centro. A Terra segue o Sol. O Sol gira em torno do eixo central da Via Láctea. Deve existir uma razão de ser assim. Sem um centro tudo fica desorganizado, nada funciona direito. Tudo se organiza em torno de um centro. As pessoas sem um lar, uma família, sem a figura de um centro, ficam perdidas.  Dê um jeito de encontrar um centro de equilíbrio espiritual, encontrar o foco no “Eu”.

A quarta providência e a mais importante é comandar a si, não dispersar a energia em coisas inúteis. Fatos e acontecimentos são como ondas que se formam quando você atira uma pedra na lagoa. O tamanho da pedra define o tipo da onda que se forma: calmo, agitado, construtivo ou destrutivo. O mundo exterior é reflexo do mundo interior. O mundo interior é formado pelos pensamentos gravados. Pensamentos são formados de palavras. Não há como visualizar a cor azul, sem usar a palavra “azul”, falada, escrita ou pensada.

A palavra cria. As pessoas em geral desconhecem ou desprezam o poder criador da palavra, por isso falam inutilidades e criam fatos e acontecimentos inúteis. Não há ação sem pensamento. Não há pensamento sem o uso da palavra.  O uso da palavra correta leva ao resultado correto. Sem pensamento, sem ação, sem resultado. Pensamento errado, ação errada, resultado indesejável. Palavra certa, pensamento correto, ação direcionada, resultado positivo. 

Os pensamentos ou palavras gravados ao longo dos anos formam a consciência central que comanda o ser humano de dentro, de forma invisível. Essa consciência atua como um macromodelo e cria o roteiro dos fatos e acontecimentos do seu mundo. Por exemplo, se o conceito do mundo for de lutas (bem x mal, forte x fraco, etc), o enredo principal na vida pessoal, familiar e profissional será de conflitos e brigas.

A citação bíblica diz “haja luz, e houve luz”, ou seja, a palavra cria fatos e acontecimentos. Também diz: “Eu sou o que sou”.  A segunda parte, “o que sou”, é a palavra  que você usa. Você escolhe a palavra que usa. É o livre arbítrio.  Acreditando ou não acreditando, se, por exemplo, usar “burro”, está se definindo “eu sou burro” e as pessoas ao redor passarão a te tratar como “burro”.

O erro de não conseguir realizar as promessas é porque costuma falar só besteira ou usar palavras sem decisão e determinação tipo “eu quero...”, “eu pretendo...”, “eu gostaria...”, “eu desejo...”. São palavras sem força cujas ações não têm direcionamento, foco.  Este tipo de palavra é anulado pelo “mas” oculto que se segue. Por exemplo: “Eu quero... mas (é muito difícil)”.

A forma de comandar a si é pela utilização de palavras corretas diariamente. É uma batalha de longa duração, mas, se quiser cumprir a promessa, é a mudança a fazer. Criar novos hábitos, regravar, substituir tudo que foi gravado ao longo de vários anos exige decisão, determinação e dedicação. Que tal iniciar com “eu sou saudável, eu sou forte, eu sou capaz de realizar qualquer coisa com êxito e perfeição”? Certamente, as suas chances de cumprir promessas e realizar sonhos serão muito maiores em 2014.

* Orlando Oda, administrador de empresas, tem mestrado em administração financeira pela FGV e é presidente do Grupo AfixCode.

Tags: aberta, Artigo, coluna, JB, promessa, Sociedade

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.