Jornal do Brasil

Domingo, 20 de Abril de 2014

País - Sociedade Aberta

Criança e tecnologia: é preciso ter cautela

Breno Rosostolato e Aline Maciel Richetto*

Crianças nascidas a partir de 2010, recentemente, passaram a ser denominadas “geração alfa”, por se distinguirem das gerações anteriores, pois já nasceram em mundo conectado. Às vezes, temos a sensação que os “alfas” são superdotados por conta da rapidez e naturalidade que têm ao utilizar smartphones, tablets e afins. Esta nova geração é formada por crianças que já nasceram imersas nas novas tecnologias e demonstram ser mais inteligentes do que aquelas das gerações anteriores.

Uma geração que chegou causando transformações sociais intensas. Reformularam as famílias diminuindo as hierarquias e a autoridade dos pais, ditam questões relativas à moda, linguagem,  mercado de trabalho e, inclusive, o ensino nas escolas. Geração que, indubitavelmente, preza pela diversidade e espontaneidade.

Cada vez mais fascinados por uma avalanche de aplicativos repletos de estímulos sonoros e visuais, com personagens coloridos e atraentes, adultos e crianças ficam encantados com as mltiplas possibilidades oferecidas. Alguns acreditam que tais estímulos possam contribuir, de modo positivo, na formação, não só das crianças como de toda a família, desenvolvendo filhos mais inteligentes.

O anseio de consumir tecnologia, desenfreadamente, mesmo para o pblico infantil, é tão grande que, recentemente, foi lançada nos Estados Unidos a IBounce, uma cadeirinha para bebês desenvolvida pelo fabricante de brinquedos Fisher-Price. A cadeira com IPad já vem com apoio para ogadget e possibilita que crianças muito pequenas interajam com jogos, filmes e vídeos. Para muitos pode parecer um grande avanço tecnológico, ou até mesmo um conforto e alívio para aqueles pais mais atarefados, uma vez que com a tal cadeirinha as crianças aprendem e se “distraem” sozinhas.

Acreditamos que a tecnologia pode, realmente, ser bastante benéfica para o crescimento e desenvolvimento infantil saudáveis, mas, por outro lado, é importante que os pais façam a inserção da criança, de forma gradativa, nesse universo e ponderem o tempo que os filhos ficarão conectados.

Pais, não se esqueçam: nada substitui o contato físico, o afeto e o vínculo que só o relacionamento humano proporciona ao desenvolvimento e inteligência. Abraços, aconchegos, carinhos, proximidade física, atenção jamais poderão ser compensados pelo último modelo de smartphone e/ou o joguinho do momento.

A tecnologia é útil, importante e necessária nos dias de hoje, mas deve ser usada com cautela e sempre com a supervisão de um adulto orientando a criança.

Nada de deixar filhos conectados sozinhos acreditando que o uso da tecnologia poderá estimulá-los enquanto realizam outras atividades ou até mesmo “descansam” um pouquinho. Vale lembrar que a educação é responsabilidade que cabe aos pais. Todo o resto   a tecnologia, o computador, e aí, a escola se inclui — vai favorecer aptidões, coordenação motora e o desenvolvimento cognitivo da criança. Por mais que os tempos mudem, pais responsáveis sempre deverão participar e ser referência para os seus filhos.

Não existe receita pronta que nos ensine o tempo que crianças devam ficar conectadas por dia; portanto, o que vale mesmo é o bom-senso. Lembrem-se, equipamentos eletrônicos, se utilizados em excesso, prejudicam a interação social, podendo interferir na formação da identidade da criança, além de desestimular o desenvolvimento motor.

Vamos usar a tecnologia, sim, mas com parcimônia. Abracem, toquem, cantem, dancem, brinquem com suas crianças. Isso, sim, pode estimular o desenvolvimento sadio, fortalecer o vínculo familiar, e, certamente, ficará eternizado na memria da criança.

A participação responsável dos pais é crucial para o desenvolvimento das capacidades no filho, do mesmo modo que o exagero, excessos e omissões influenciarão igualmente este desenvolvimento. É sabido que não existe fórmula mágica para ser pai ou mãe, mas coerência e bom-senso devem ser a tônica para a educação dos filhos. Os pais devem “falar a mesma linguagem” com seus filhos para que ambos se sintam integrados à família, e assim construir um ambiente saudável e satisfatório para o crescimento dos pequenos.

* Breno Rosostolato e Aline Maciel Richetto são professores da Faculdade Santa Marcelina (SP).

Tags: além, de, DESENVOLVIMENTO, desestimular, motor, o

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.