Jornal do Brasil

Quarta-feira, 16 de Abril de 2014

País - Sociedade Aberta

Compartilhar: um caminho necessário

Brasilmar Nascimento Arajo*

Desde os primórdios da civilização humana, da época das escritas rupestres e em peles de animais ou agora nos trilhos da globalização do terceiro milênio, encurtando asdistâncias, o homem necessita da convivência, da parceria, da socialização. De outros, enfim da sua comunidade, onde possa tecer um projeto de vida fundamentado na construção de uma família.

Todos que façam parte de uma sociedade têm a sua parcela de contribuição, direitos e deveres, dentro de uma vasta gama de tradições milenares: ritos, folclores, idiomas eespiritualidade de cada povo. Estamos todos, de alguma forma, irremediavelmente enredados Todos os grandes feitos, sobretudo aqueles que necessitam de mão de obra em larga escala, só são possíveis, graças a ações coordenadas por milhares de pessoas trabalhando pelo mesmo objetivo. Caso contrário, não existiriam as pirâmides milenares egípcias de Quéops, Quéfren e Miquerinos, construídas em 2700 a.C e que encantam o mundo.

As fantásticas ligações dos oceanos Atlântico ao Pacífico (Canal do Panamá) e do Mar Mediterrâneo ao Vermelho (Canal de Suez), estabelecendo a navegação entre a Europa e a Ásia – Atlântico e Índico. O homem sobre todos os mares, desde a Era dos Descobrimentos, que decorreu entre o século 15 e o inicio do 17I ou, atualmente, a bordo de belos transatlânticos. Tudo está inevitavelmente ligado pela colaboração, participação e laços de amizade pela realização de todos, do desenvolvimento sustentável, pacífico, e do progresso por que a humanidade, necessariamente, anseia para marchar unida em busca do bem comum. É uma questão de sobrevivência de todos. O caminho é a união na busca de ideias empreendedoras por uma ordem construtiva.

Pavimentando novos horizontes da luz, da prosperidade para todos. O homem, definitivamente integrado, ativo e liberto no seio da sociedade. Horizontes mais bizarros, inóspitos ou na velocidade das grandes metrópoles. Precisamos estar unidos na grande e inexorável teia do universo humano, onde, cada indivíduo é parte dessa imensacadeia que se faz necessária por resultados positivos para todos.

Seja, no campo da ciência, na preservação da natureza, coexistindo nas diversidades de culturas, o conhecimento do ser humano é como uma fonte perene a jorrar o saber para todos, indistintamente. E os povos, compondo a canção pela vida, como fazem bolivianos e peruanos, remando lado a lado, há tempos milenares, nas águas do Lago Titicaca e em seus incríveis 8.300 mil km² de área, na Cordilheira dos Andes, do continente sul-americano. Compartilhando, sempre!

Com a Liberdade sinalizada no horizonte, nos proporcionando pensar, examinar, resolver, escolher e descobrir os rumos da prosperidade movidos por expectativas de toda ordem. Nós somos o mundo!

O compartilhamento é a grande mola propulsora de um povo, como ponto vital.  Compartilhar, o verbo que é imprescindível em todos os lugares: dos ambientes. É assim que a humanidade precisa caminhar: imbuída de amor, fraterna e solidária.

* Brasilmar Nascimento Araújo é articulista e poeta. - brasilmar.serradalua@gmail.com

Tags: a, de um, e, grande, mola, povo, propulsora

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.