Jornal do Brasil

Terça-feira, 27 de Junho de 2017

País - Sociedade Aberta

Mitos sobre o glaucoma

Remo Susanna Jr

O estudo do Glaucoma tem percorrido longo caminho, seu desenvolvimento vem ocorrendo em todos os cantos do mundo e nunca houve tanta disponibilidade de recursos, tanto intercâmbio científico e criatividade como nesses últimos anos.

Hoje, o estudo do Glaucoma é uma ciência universal. Os congressos que se proliferam em vários locais do mundo permitem que colegas com diferentes origens e percepções sobre a doença partilhem entre si suas experiências, seus conhecimentos e criatividade em benefício de todos nós e principalmente de nossos pacientes. Contudo, ainda existemmitos arraigados na população que dificultam o diagnóstico e tratamento da doença, perpetuando a sua colocação como a doença que mais cega de forma irreversível no mundo.

Os mitos mais comuns sobre glaucoma

Mito 1: todos os pacientes com glaucoma têm pressão ocular elevada

Acreditava-se que presses oculares acima de 21 mmHg era glaucoma, e abaixo era normal. Na realidade, há pessoas com pressão abaixo de 21 com glaucoma (glaucoma de pressão normal) e outras com pressão acima sem glaucoma (hipertensosoculares).

O que define a presence ounão do glaucoma é o aspecto do nervo óptico. Portanto, pergunte sempre ao seu oftalmologista qual a pressão do seu olho, e como está seu nervo óptico.

Mito 2: Eu enxergo muito bem e, portanto, não tenho glaucoma

A maioria das formas de glaucoma não apresenta sintomas, a não ser nos estágios muito avançados da doença. Uma vez perdida a visão, esta é irreversível. Os defeitos de visão de um olho são compensados pelo outro olho e vice-versa, mascarando esta perda. Também mesmo quando o defeito é avançado, o cérebro complementa a imagem faltante com imagens adjacentes, tornando imperceptível para o indivíduo esta perda.

Mito 3: Você pode testar sua visão periférica para saber se tem glaucoma ou não

As formas mais comuns de glaucoma tiram a visão periférica. Muitos pacientes pensam que podem avaliar esta perda tampando um olho e testando a seu campo de visão. Esta colocação feita pelo paciente é frequente nos consultórios médicos. Na realidade, o campo que se perde inicialmente não é o temporal (lado das têmporas; direito no olho direito e esquerdo no do olho esquerdo), e sim o nasal (do lado do nariz e que na maioria das vezes é ocultada pelo proprio nariz do individuo; lado esquerdo do olho direito e lado direito do olho esquerdo. Baseado neste teste feito de forma errada, o paciente se acha em perfeitas condições. Na realidade é impossivel se testar a visão periférica, principalmente do lado nasal sem equipamento e técnica apropriada em consultório médico.

Mito 4: Estilo de vida não influencia o glaucoma

Exercícios aeróbicos como natação, correr ou andar rápido pelo menos 30 minutos 3 vezes por semana podem reduzir a pressão ocular em até 20% . Pacientes com glaiucoma devem evitar a posição de cabeça para baixo como ocorre em certos exercícios de Yoga que podem aumentar a pressão ocular em aproximadamente 200% (duas vezes a pressão do olho). Tambem o fumo pode aumentar a pressão ocular. Embora a marijuana abaixe a pressão ocular, seu efeito é muito passageiro, e a redução da pressão insuficiente.

Mito 5: Os exames para glaucoma são cansativos

Nem todos, o que os pacientes mais reclamam é do campo visual

Existem três exames básicos e suas variantes para glaucoma

1. Exame oftalmoscópico no qual o médico examina o fundo de olho com especial atenção ao nervo óptico. Muitas vezes este exame é acompanhado de fotografia estereoscópica do nervo ou exames de imagem computadorizados para documentar e melhor avaliar o nervo óptico. Somente através da documentação do nervo óptico através destes exames complementares o médico é capaz de detectar alterações estruturais do mesmo, ou seja, detectar a progressão da doença. 

2. Medida da pressão ocular que, devido à sua flutuação e picos deve ser avaliada através da prova de sobrecarga hídrica, ou mini curva ou curva tensional diária de 24-horas. Pode também ser avaliada através de medidas em diferentes horários e em dias diferentes.

3. Teste de Campo visual (perimetria), que é o teste que os pacientes menos apreciam, consiste na projeção de luz de intensidades variáveis para detectar a perda da visão periférica e quando presente também a central.

Mito 6: A pressão ocular medida uma vez no consultório é suficiente

Na realidade, a pressão ocular pode variar mais que 10 mmHg em24-horas, daí a necessidade se fazer várias medidas de pressão e, ou, realizar o teste de sobrecarga hídrica para detectar-se o pico pressórico considerado um dos fatores mais importantes na progressão da moléstia. Estas medidas estão indicadas em suspeitos de glaucoma e  portadores da doença, e não precisam ser feitas de forma rotineira em indivíduos considerados normais após avaliação cuidadosa do nervo óptico.

Mito 7: A minha pressão ocular está normal com o tratamento

Este é um mito perigoso. O termo pressão normal refere-se a um valor estatístico encontrado na população, e nãoa o controle da doença. Assim, um paciente com “pressãonormal” pode evoluir para a cegueira. Não existe um número mágico de pressão para todos os pacientes. Há pacientes que necessitam de pressões de 10 mmHg e outros que podem ter pressões mais elevadas que esta sem prejuizo em sua função visual. Este é o conceito de pressão alvo. Ela é determinada individualmente pelos oftalmologista baseado em uma série de fatores como a idade, expectative de vida, grau de lesão glaucomatosa, velocidade de progressão da doença, entre outros.

Mito 8: O glaucoma sempreleva a cegueira

Totalmente errado. De acordo com The Glaucoma Foundation, no mínimo 90% dos casos de glaucoma não levariam a cegueira se diagnosticados e tratados de forma  apropriada. Infelizmente, menos de 50% das pessoas com glaucoma são diagnosticadas. Em muitas ocasiões, e por diferentes razões, o tratamento não é eficiente. Assim, uma vez diagnosticado em tempo hábil, e o tratamento monitorado através de campos visuais, exame do nervo óptico e uma boa amostragem da pressão ocular, a cegueira na grande maioria de pessoas, se não em quase todas, seria evitada. 

Mito 9: Existem poucas opções no tratamento do glaucoma

Existem numerosos tratamentos em glaucoma disponíveis. Houve um grande avanço no tratamento médico com drogas muito potentes ou combinações de drogas em reduzir a pressão e controlar seus picos. A utilisação do laser, numerosos tipos de cirurgias com técnicas modernas aumentaram o sucesso cirúrgico e diminuiram em muito as complicações.

O glaucoma continua sendo a maior causa de cegueira irreversivel no mundo, e tem uma reputação sinistra, pois atinge, na maioria das vezes, os dois olhos do indivíduo, não origina sintomas (só nas fases avançadas da doença) é frequente em parentes diretos de portadores da doença. comprometendovariosfamiliares. Com auuxilio de instituiçõescomo a ABRAG, do maior conhecimento da população sobre a doença e com os grandes avanços no diagnóstico e tratamento que dispomos atualmente, acredito que a reputação sinistra desta doença está com seus dias contados.

Tags: Artigo, doença, ocular, oculista, oftalmologia, oftalmologista, olhos, remo susanna jr

Compartilhe: