Jornal do Brasil

Sábado, 18 de Agosto de 2018 Fundado em 1891

Rio

PPS quer Rede e PSDB juntos no Rio

Jornal do Brasil

O PPS quer juntar dois partidos nas eleições 2018 que disputam vaga no Planalto em torno de uma candidatura única no Rio de Janeiro, a Rede e o PSDB. Apesar de publicamente declarar apoio ao presidenciável tucano, Geraldo Alckmin, setores do PPS ainda defendem coligação com Marina Silva no âmbito nacional e reconhecem que conversas no Rio poderiam impulsionar a aliança.

O objetivo seria juntar as siglas que fizeram oposição ao governo de Sérgio Cabral (MDB), de 2007 a 2014, em torno do pré-candidato do PPS, Rubem César, diretor-executivo da ONG Viva Rio. Apesar de Rubem brincar que "quanto mais palanques, melhor", no PSDB e na Rede a possibilidade de duplo palanque é vista com resistência. Dentro do partido de Marina Silva, contudo, já se trabalha com esse cenário, já que em mais de um Estado a sigla pode acabar coligando com outras legendas com diferentes presidenciáveis.

"Nossa aliança poderia ser uma alternativa de renovação do Rio", defende o presidente do PPS, Roberto Freire. "Se resolver a vida no Rio, em outros Estados, isso pode ajudar a gente a começar a ver que é possível resolver a vida nacional", completou.

A legenda sinaliza que conversas estaduais podem favorecer um acordo em nível nacional. Caso o PPS decida fechar com Alckmin ou Marina, para o pré-candidato, Rubem César, não será um problema.

"Podemos ter mais de um palanque, desde que não seja na mesma hora, senão fica confuso. A crise é tamanha que estamos precisando nos unir", disse o diretor-executivo da Viva Rio.

Apesar das tentativas do PPS, a possibilidade de mais um presidenciável no palanque carioca é vista com dificuldade entre as outras siglas. Questionado, o deputado federal e presidente estadual do PSDB, Otávio Leite, disse que quer "um palanque genuíno para o Geraldo (Alckmin), essa é nossa meta".

O deputado federal Miro Teixeira (Rede), por outro lado, diz que a "conversa é enorme" e que o apoio não é condicionado necessariamente à aliança nacional. Mas admite que um eventual apoio poderia ajudar. "A discussão no Rio poderia avançar se o PPS já apoiasse Marina no âmbito nacional", afirmou.

Miro é colocado como um possível pré-candidato no Rio também. Segundo a reportagem apurou, ele poderia entrar como vice em uma eventual chapa com o PPS.

Para ele, contudo, há ainda resistência dentro da Rede com o nome de Rubem. Um nome que poderia trazer mais consenso seria o de Marcelo Calero, ex-ministro da Cultura de Michel Temer. "Estava no governo, denunciou Geddel (Vieira Lima). Poderia ter ficado quieto e não aceitou intimidação. Tem qualidades já testadas na vida pública", elogiou.

Calero ganhou notoriedade quando deixou o governo, após denunciar que vinha sofrendo pressões do então ministro Geddel para liberar um empreendimento imobiliário em Salvador, que beneficiaria sua família.



Tags: aliança, geraldo alckmin, política, rio de janeiro, tucano

Compartilhe: