Jornal do Brasil

Quarta-feira, 18 de Julho de 2018 Fundado em 1891

Rio

Tiroteios aumentaram 36% no Rio desde intervenção dos militares, diz estudo

Jornal do Brasil

Os tiroteios aumentaram 36% no Rio de Janeiro desde que o governo brasileiro decretou, em fevereiro, a intervenção dos militares na área de segurança, sem evidências de que a violência na cidade tenha melhorado, segundo um estudo.

Durante os quatro primeiros meses da polêmica intervenção, houve 3.210 tiroteios no Rio, em comparação com os 2.355 registrados nos quatro meses anteriores, de acordo com o relatório do "Observatório da Intervenção", coordenado pelo prestigioso Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (Cesec) da Universidade Cândido Mendes.

"Nunca se viram tantos agentes, a um custo tão alto, mobilizados para obter tão pouco", disse a coordenadora do projeto, a socióloga Silva Ramos.

Segundo o estudo, nestes 120 primeiros dias a letalidade da polícia aumentou 34%, com 444 pessoas mortas pelos agentes. Os homicídios dolosos, no entanto, caíram 13%, totalizando 1.794.

"Precisamos de inteligência, medidas estruturantes, de integração das forças, de combate à corrupção e diálogo com a sociedade. A intervenção prometeu tudo isso. Mas está entregando operações, tiroteios e mais mortos em confrontos, inclusive policiais", manifestou Ramos.

O presidente Michel Temer decretou a intervenção pouco depois do Carnaval, assegurando que o crime "quase tomou o controle" do estado do Rio, levantando fortes críticas de organizações de defesa dos direitos humanos.

A situação piorou desde o fim dos Jogos Olímpicos de 2016 no estado, com constantes confrontos entre policiais e traficantes nas comunidades e com as milícias dominando cada vez mais territórios.

O ministro da Segurança Pública, Raúl Jungmann, sugeriu na semana passada que a intervenção - prevista até o final do ano - deveria ser prolongada até o fim de 2019 para "concluir o legado". "Se tivéssemos mais tempo, melhores resultados virão", disse o ministro.

Desde que os militares chagaram, pouco parece ter mudado no Rio. Neste tempo, ocorreram casos de violência emblemáticos como o assassinato da vereadora e ativista negra Marielle Franco, enquanto na semana passada uma operação policial levou ao fechamento do bondinho do Pão de Açúcar e acabou com ao menos sete supostos traficantes mortos.

csc/db

Agência AFP


Tags: crime, insegurança, rio, tiro, violência

Compartilhe: