Jornal do Brasil

Domingo, 27 de Maio de 2018 Fundado em 1891

Rio

Rio tem cinco carros de aplicativos para cada táxi

Taxistas perdem território para Uber, cujo crescimento ameaça mobilidade, segundo especialistas

Jornal do Brasil MARIA LUISA DE MELO malu@jb.com.br

O Rio de Janeiro tem quase cinco vezes mais carros particulares sendo usados em  serviço de transporte por aplicativos, como Uber, Cabify e 99, do que táxis. A estimativa é da Secretaria Municipal de Transportes da cidade (SMTR). Segundo o órgão, 33 mil táxis circulam pela cidade, enquanto existem de 120 mil a 150 mil automóveis operando pelos aplicativos. Como a prefeitura regulamentou o serviço na quinta-feira passada, 1% do valor de cada corrida será repassado aos cofres municipais, que antes não contavam com nenhum tipo de arrecadação proveniente desse serviço. O crescimento exponencial dessa frota, no entanto, é visto com ressalvas por especialistas em transporte urbano. 

Taxista atira ovos em colega no protesto contra regulamentação do serviço de Uber pela prefeitura: categoria diz que foi traída por Crivella

Para o professor do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Marcelino Aurélio da Silva, o número de táxis disponíveis — 33 mil veículos — já seria mais do que suficiente para atender a população carioca. Por seus cálculos, o Rio tem uma taxa média de 522 táxis para cada 100 mil habitantes, índice superior ao máximo recomendado para cidades com mais de 4 milhões de habitantes, que é de 500 carros. 

“Essa é uma referência usada com base num estudo da Prefeitura de Vitória (ES). Mais de 150 mil carros nas ruas oferecendo um mesmo serviço não é nem um pouco viável. É necessário um estudo sobre o impacto disso no trânsito. Do contrário, um crescimento sem planejamento pode virar um câncer para a cidade”, alerta. “Ainda há que se estudar de onde vem essa demanda de usuários do Uber. Não vem só da perda de clientela dos taxistas. Pelo que observo, o Uber está tirando passageiros do transporte público também. Uma viagem entre 10 e 12 quilômetros, com quatro pessoas, feita de Uber sai mais barata do que cada um pagar sua própria passagem de ônibus”, compara. 

O decreto publicado na quinta-feira pelo prefeito Marcelo Crivella, regulamentando o funcionamento dos aplicativos de transporte, veio de carona na lei sancionada, sem vetos, pelo presidente Michel Temer estabelecendo regras para o serviço e permitindo que os municípios o fiscalizassem e o regulamentassem. 

Em até 180 dias, todos os motoristas deverão ser credenciados. Assim, a prefeitura espera ter acesso às informações das empresas Uber, Cabify e 99, como o número de corridas, as distâncias percorridas e o número exato de carros cadastrados que prestam o serviço na cidade. Tais informações hoje são uma caixa-preta.   

Presidente da Empresa Municipal de Informática S/A (IplanRio), Fábio Pimentel de Carvalho acredita que a abertura dos dados das empresas seja o principal benefício da regulamentação. Ele vê com ressalvas a estimativa divulgada pela SMTR: “O decreto municipal obriga as empresas a abrirem seus dados. Assim, será possível mapear o perfil deste usuário, definindo o número de corridas feitas e as distâncias percorridas. Só com esse perfil traçado, conseguiremos melhorar as políticas para a mobilidade urbana. Sobre o número de carros cadastrados, só teremos um número exato depois de termos todos os cadastros realizados”. Pimentel discorda que o crescimento do mercado desse serviço traga consequências negativas para a mobilidade na cidade. “Quanto mais oferta para o consumidor, melhor”, defende o presidente do IplanRio. 

Sindicato reclama restrição 

O diretor do Sindicato dos Taxistas Autônomos do Município do Rio de Janeiro, Hildo Braga, não acredita que a taxação de 1% sobre o valor das corridas seja suficiente para tornar a concorrência mais justa, e defende a limitação da frota de veículos explorando esse tipo de serviço nas ruas da cidade. “A Prefeitura precisa limitar o número de carros que prestam esse serviço. Se não, é inviável. Por lei, nós, taxistas, não podemos buscar passageiros em outros municípios. Mas os motoristas do Uber vêm lá da Baixada pra rodar aqui no Rio. Isso é injusto. Temos a informação de que 80% das corridas do Uber no Estado do Rio de Janeiro são feitas dentro do município. Não há igualdade de tratamento”, queixa-se.

Para o professor Marcus Quintella, consultor de transportes da FGV Projetos e mestre em Transportes pelo Instituto Militar de Engenharia (IME), o crescimento da caravana de carros particulares usados por aplicativos só serviu para aumentar os congestionamentos no Rio: “As vias do Rio têm pouca capilaridade para absorver o tráfego: um dos principais problemas é a falta de sincronização dos semáforos, o que só contribui para o aumento dos congestionamentos”, diz o especialista. “Além disso, o que vemos pelas ruas da cidade são muitos táxis vazios. Ter mais veículos oferecendo o mesmo serviço só impacta o trânsito, não melhora a vida do carioca. E o crescimento por este tipo de demanda está diretamente atrelado à falta de transporte público eficiente na cidade, o que abre brecha também para o transporte alternativo ilegal. Sem essa mudança de cenário, nunca teremos a tão-falada mobilidade urbana”, defende o professor da Fundação Getulio Vargas (FGV).



Tags: aplicativo, carro, rio, transporte, táxi, uber

Compartilhe: