Jornal do Brasil

Terça-feira, 22 de Maio de 2018 Fundado em 1891

Rio

Aldeia dos Kayapós no Xingu preserva cultura milenar

Ensaio do editor de Fotografia do JB faz homenagem no Dia do Índio

Jornal do Brasil

Nos idos de 1981, a “canceriana telúrica” Baby do Brasil, na época ainda Baby Consuelo, lançou um disco intitulado com os adjetivos citados acima entre aspas e que trazia uma canção que se tornou um clássico da MPB e da causa indígena. Como dizia a letra da música composta por Baby, “antes que o homem (branco) aqui chegasse, as terras brasileiras eram habitadas e amadas por três milhões de índios, proprietários felizes da Terra Brasilis, pois todo dia era dia de índio (...), mas agora eles só têm o dia 19 de abril”... Trinta e sete anos depois, infelizmente, a denúncia em forma de melodia e prosa continua atualíssima, vide Belo Monte, a usina construída na bacia do Rio Xingu, próximo a Altamira, no sudoeste do Estado do Pará, que espremeu ainda mais as nações indígenas da região. Há um santuário, porém, que permanece em sua resistência ao tempo e que foi visitado em junho de 2013 pelo editor de Fotografia do JORNAL DO BRASIL, José Peres: a aldeia Kayapó, no Parque Nacional do Xingu. 

Peres saiu de São Paulo e foi até Carajás em avião de carreira. De lá, embarcou num Cesna 210, um monomotor de seis lugares, em direção a São Félix do Xingu, na confluência do Rio Xingu com o Rio Fresco. De São Félix à aldeia Kayapó, foram cinco horas numa canoa equipada com um motor de popa potente para atravessar o rio. Ele passou uma semana dormindo numa rede montada no posto de saúde fincado na aldeia, encarando um outono de 40ºC — “A gente conversava dentro do rio” —, mas saiu de lá com o coração aquecido e com as belas fotos que o JB publica, hoje, em comemoração ao Dia do Índio. 

“Os Kayapós falam uma língua própria, da família linguística Jê Tem uma sofisticada mitologia, suas próprias histórias sobre a criação do mundo e sobre Deus. Foi uma experiência inesquecível”, recorda o fotógrafo. 

Peres pôde acompanhar na ocasião a Festa da Mandioca, feita quando os homens chegam da caçada, e se encantou com a cultura local. “Toda a aldeia toma banho no Xingu ao nascer do dia, e as crianças são muito felizes. Correm e brincam em total liberdade por toda parte. O indígena brasileiro é, na sua aldeia, um homem fortíssimo. Passam dificuldades, às vezes, pela escassez de comida”, conta. 

Ligado à imagem e a estética, chamou atenção de Peres a dedicação dos índios à pintura corporal: “Eles se pintam em formas geométricas com uma tinta feita com carvão e óleo de jenipapo. A tinta vermelha vem dos grãos de urucum.  Eles se pintam todos os dias, horas por dia. As pinturas perdem a cor depois de alguns dias com os banhos e o suor”. 

O editor de Fotografia do JB lembra de alguns hábitos milenares dos Kayapós, transmitidos de geração à geração. “Os homens caçam e pescam. Os filhos têm arcos proporcionais à idade e acompanham os pais nas caçadas. As mulheres é que cozinham. E as filhas maiores cuidam o tempo todo de uma irmã menor. O sexo é livre antes do casamento, mas, depois, não”, recorda-se o fotógrafo, que fez amizade com as crianças da tribo. “Levei muitas balas e biscoitos. Elas andavam em bando comigo e me mostravam as brincadeiras”, relembra.



Tags: dia, ensaio, fotos, josé, peres, índio

Compartilhe: