Jornal do Brasil

Sexta-feira, 20 de Abril de 2018 Fundado em 1891

Rio

Ação oferece vagas de emprego e emissão de documentos na Vila Kennedy

Jornal do Brasil

Moradores da Vila Kennedy e de bairros próximos, na zona oeste do Rio, estão recebendo hoje atendimentos para diversos serviços de cidadania na Escola Municipal Marechal Alcides Etchegoyen. A ação é integrada pelo Comando Conjunto, responsável pelas operações de Garantia da Lei e da Ordem no Rio, em coordenação com a Secretaria de Estado de Segurança e parceria com agências e órgãos dos governos municipal, estadual e federal. O bairro da Vila Kennedy foi escolhido para ser modelo das ações da intervenção federal que poderão ocorrer em outras partes do estado.

Os serviços vão desde o oferecimento de vagas de emprego, Justiça itinerante, registros para a emissão de documentos como carteira de identidade e certidão de nascimento, passando, ainda, por atendimento dentário, vacinação contra a febre amarela e atualização da caderneta de vacinação.

A auxiliar administrativa Rute Maria da Silva, de 54 anos, que mora em Realengo pegou a senha 151 e entrou na fila para conseguir a segunda via da certidão de nascimento, que acha que perdeu em uma das mudanças de casa. Ela precisa do documento para pedir a segunda via da carteira de identidade que está com a assinatura apagada e por isso não é aceita.

Apesar da fila grande dona Rute não reclamou, pois o atendimento estava andando rápido. Para ela, a vantagem do atendimento de hoje é conseguir o documento de graça. “Eu andei pesquisando e para tirar a certidão eu tenho que pagar R$ 200 e como surgiu isso aqui, eu disse: vou lá tirar. É de graça”, revelou.

Simone Diniz, de 46 anos, tem dois filhos e trabalhava como auxiliar de coordenação em um colégio em Nilópolis, na Baixada Fluminense. Desde que perdeu o emprego, há dois anos, vive de bicos. Agora, tem esperança de conseguir uma vaga também na área de educação, e principalmente, com carteira assinada. “Eu estou há dois anos sem carteira assinada. Preciso de uma carteira assinada. Os benefícios que tem, o seu contracheque todo mês, ter crédito na praça, comprovar renda”, apontou.

Este foi também o motivo que levou o motorista desempregado Elísio Lopes, morador da Vila Kennedy, a buscar o atendimento. Ele está desempregado há cinco anos e por isso faz serviços alternativos. “Quero voltar ao mercado de trabalho é melhor do que fazer bico. Tendo uma carteira de trabalho profissional assinada é melhor, né? Tendo todos os direitos adquiridos”, afirmou.

Ação

O início do atendimento foi acompanhado pelo interventor federal, general Walter Braga Netto, pelo prefeito Marcelo Crivella, pelo secretário de Estado da Casa Civil do Rio, Cristino Áureo, e pelo chefe de gabinete de intervenção federal, general Mauro Sinott, para quem, o oferecimento de serviços à população representa uma ação social que complementa as medidas de segurança. “É marcante estar próximo à comunidade”, disse à Agência Brasil.

O prefeito Crivella destacou outros serviços de integração que pretende executar na comunidade, além das medidas de segurança. “A gente [prefeitura] vai fazer uma integração grande. Estou pedindo recurso à Brasília. Quero asfaltar todas as ruas, quero fazer uma revisão na rede pluvial e na tubulação de abastecimento de água, estamos entrando com o gari comunitário, fazendo o corte e poda de todas as árvores e cuidando também da limpeza urbana. Estamos colocando contêineres em certas partes que não tinham, o pessoal da Rio Luz está vendo a iluminação”, disse.

O general Braga Netto preferiu não falar com a imprensa. O porta-voz do Comando Conjunto, Carlos Frederico Cinelli, disse que a orientação do general Braga Netto foi no sentido de estabilizar as áreas em que ocorrem as operações militares para que as agências governamentais que oferecem serviços aos moradores possam entrar nas localidades com segurança.

“As agências e órgãos da prefeitura e do estado não estão presentes muitas vezes na magnitude que esperaríamos, não porque não queiram, mas porque são impedidas pelas organizações criminosas de ter este acesso. Então, o Comando Conjunto tem essa atribuição de estabilizar, remover obstáculos, como fizemos e foi amplamente divulgado aqui na Vila Kennedy e pretendemos em curto prazo retirar os nossos efetivos daqui para que a Polícia Militar possa efetivamente assumir o protagonismo das ações", contou.

Durante as ações perto da Praça Miami, onde houve a derrubada de quiosques de ambulantes locais pela prefeitura, no dia 9 deste mês, uma movimentação policiais militares e integrantes do Exército chamou atenção de quem estava por perto. Dois homens em uma moto não obedeceram a orientação de parar, quando passavam por uma barreira. Para evitar que seguissem, militares do Exército jogaram na frente da moto uma barra de metal que provocou a redução da velocidade e a queda dos dois homens. Eles foram detidos.

Agência Brasil


Tags: comando, conjunto, itinerante, justiça, vila kennedy

Compartilhe: