Jornal do Brasil

Segunda-feira, 25 de Junho de 2018 Fundado em 1891

Rio

Vereadores constatam melhorias no Parque Radical Deodoro, apesar de problemas

Jornal do Brasil

Os vereadores da Câmara Municipal do Rio de Janeiro Fernando Michel (PSDB) , Italo Ciba (PT do B) e Prof. Célio Luppareli (DEM) visitaram o Parque Radical de Deodoro, na zona oeste, nesta sexta-feira (18) e constataram melhorias na entrega de estruturas esportivas à população. No entanto, para eles, que integram a Comissão de Esportes e Lazer  da casa legislativa, as promessas de legado olímpico após os Jogos Rio 2016 estão longe de serem cumpridas.

A comissão ainda encontrou problemas na estrutura, como a água esverdeada e sem tratamento na piscina em que foram disputadas as provas olímpicas de canoagem slalom, e as rachaduras na pista de ciclismo BMX (esporte mais conhecido como bicicross). Porém, os vereadores reconheceram que a prefeitura destravou medidas urgentes de manutenção da área de 500 mil metros quadrados.

Reabertura do parque

A subsecretária de Esportes e Lazer do Rio de Janeiro, Patrícia Amorim, disse que estão em andamento as melhorias no parque, como por exemplo um contrato emergencial para a piscina. O compromisso, afirmou, é abrir a estrutura ao público em setembro. “Há muito o que fazer, não temos tanto que comemorar, mas é importante formalizar que avançamos”, disse a Patrícia, que é ex-atleta.

O vereador Italo Ciba avaliou que, em relação à primeira visita, o parque melhorou "50%"."Estamos vendo que, realmente, o troço está começando a funcionar", disse . "Como vimos lá atrás, tem muita coisa [a ser feita], mas pelo menos estamos vendo boa vontade da subsecretária [de Esportes e Lazer] e do prefeito [Marcelo Crivella]", que assumiram este ano, completou o vereador.

A abertura do Parque Radical está prevista para 21 de setembro. "Primeiro dia da primavera e Dia da Árvore. É simbólico abrir um parque esse dia", avaliou a subsecretária.

A ideia é iniciar com aulas de natação e hidroginástica e com lazer aos finais de semana. A ampliação das atividades depende da licitação da administração da unidade, que custa R$ 750 mil mensais. O processo está em curso. “Se ficarmos esperando, o equipamento vai deteriorando, a não utilização não contribui, vira um enorme problema”, reconheceu Patrícia.

A Guarda Municipal faz a segurança do local, que chegou a ser invadido após a inauguração, em dezembro de 2015, para uso das piscinas quando o Rio registrava temperatura de 40º. Em dezembro do ano passado, antes de ser fechado, o parque recebia cerca de 6 mil pessoas por dia, aos finais de semana.

Agência Brasil


Tags: camara, esporte, municipio, parque, rio

Compartilhe: