Jornal do Brasil

Terça-feira, 19 de Junho de 2018 Fundado em 1891

Rio

Manifestantes fazem protesto contra impeachment na Candelária, Centro do Rio

Jornal do Brasil

Na tarde desta segunda-feira (29), um protesto contra o impeachment da presidente afastada Dima Rousseff tomou conta da praça em frente a Candelária, no Centro do Rio. Embalada por gritos de “Fora Temer”, a passeata se concentrou na Candelária e de lá iria percorrer a Rio Branco.

As pautas eram a saída do presidente interino Michel Temer, a quem os manifestantes se referiam como "golpista" e "retrocesso". “É contra o progresso. A Dilma foi eleita democraticamente com 54 milhões de voto. Além disso, a agenda é golpista e contra a agenda trabalhadora”, afirmou o estudante Rafael Amorim, de 30 anos.

Num clima pacífico, outra questão levava os cidadãos aos protestos: o pré-sal. A petroleira Patricia Laier, de 46 anos, destaca que se preocupa com o futuro da fonte energética que vale trilhões: “Tenho medo do que vão fazer com isso. Medo da privatização e de jogarem um recurso fora, que poderia ser usado para saúde e educação.”

As consequências da permanência de Michel Temer preocupam também Jeane Freire, advogada de 50 anos: “É uma ilegalidade porque é a retirada de uma presidente eleita, e a vinda de Temer implica em privatizações, derrubada de uma estrutura social montada e perda dos direitos dos trabalhadores.”

Composta por um grande público de mulheres, as pautas feministas também estavam em discussão no protesto. Segundo as professoras Emanuele Figueiredo e Ramires Lacerda, ambas de 23 anos, a posse do governo interino foi um obstáculo para as conquistas das mulheres. “Quando o Temer subiu, vários ministérios foram desfeitos e um deles foi o da mulher, que luta há séculos para ganhar espaço. Quando estávamos conseguindo alguma representação, ele assume e corta tudo, congela nossas discussões”, afirma Emanuele.

Ramires destacava que "o corte é geral" e afeta as minorias, que não são de número, mas de representatividade: “O corte dos direitos é no geral. LGBT, mulher e negros são minorias apenas de representação, de voz, porque de quantidade é a maior.”



Tags: dilma, impeachment, protesto, rio, temer

Compartilhe: