Jornal do Brasil

Sábado, 20 de Dezembro de 2014

Rio

Estações de bicicleta se proliferam, enquanto Rio aguarda ciclovias

Projeto está na Secretaria Municipal de Meio Ambiente desde de 2013 aguardando verba

Jornal do BrasilFernanda Távora *

Três novas estações do Bike Rio, convênio entre o banco Itaú e a prefeitura do Rio de Janeiro, foram instaladas no bairro de Laranjeiras, zona sul da cidade, durante este ano. Apesar dos benefícios que as novas estações podem trazer, a estrutura que possibilitaria a mobilidade dos ciclistas não acompanha o número de bicicletas nas ruas. 

O Rio de Janeiro tem hoje 378 quilômetros de ciclovia e pretende aumentar a extensão para 450 quilômetros até 2016, ano das Olimpíadas. Apesar de o Rio de Janeiro ter a maior malha cicloviária do país, moradores da cidade têm que lidar com os perigos  de andar em uma cidade que incentiva o uso da bicicleta, mas não dá estrutura e nem segurança. "O problema da região de Laranjeiras e do Cosme Velho são as ruas estreitas. Ou você enfrenta os carros ou sobe pela calçada, competindo com o espaço dos pedestres", aponta Diego Leal, professor de Educação Física, que percorre o caminho de Laranjeiras até o Leme de bicicleta. "O incentivo ao uso da bicicleta é importante, até pela questão ambiental, mas tem que ter uma estrutura para isso".

Moradora do bairro, Sandra Silveira, atendente de telemarketing, destaca os problemas. "Carros em cima da calçada, impedindo a passagem, e ainda temos que dar prioridade a eles (ciclistas)". Andar na calçada de bicicleta com certeza não é a melhor opção, porém quem faz uso desse tipo de transporte se sujeita aos perigos do trânsito cada vez mais conturbado da cidade.

A malha cicloviária atual não estabelece uma conexão entre os bairros, e algumas, como a ciclovia próxima ao clube do Fluminense, estão sem a manutenção necessária. "A situação das ciclovias é péssima e a opção de andar no meio dos carros é ruim, não respeitam o ciclista. É complicado", explica a estudante de direito, Olívia Meireles. 

Segundo a assessoria do Itaú, a cidade tem 100 estações do Bike Rio com 1.000 bicicletas disponíveis. Em 2014 foram instaladas 40 novas estações. "Vale ressaltar que, recentemente, o Itaú apoiou um projeto de ciclorrotas participativas para o Centro do Rio de Janeiro. A ação foi conduzida pela Transporte Ativo. Quanto aos bairros das Laranjeiras e Cosme Velho não iremos comentar", limitou-se a responder a assessoria.

Mobilidade em discussão

Pensado por moradores do local, o movimento CicloviaJá - Cosme Velho e Laranjeiras vem desde 2011 discutindo a mobilidade dos moradores da região e da cidade do Rio de Janeiro como um todo. "Promovemos debates sobre o uso de bicicletas, discutimos com a comunidade, já fizemos manifestações. Esse movimento vem crescendo, vimos que a demanda por esse tipo de transporte tem aumentado", explica Maysa Blay Roizman, bióloga e participante do movimento.

Um dos projetos que o movimento pretende promover é a construção de uma ciclovia que passa pelo Cosme Velho, Largo do Machado (em frente ao colégio Franco Brasileiro, possibilitando que as crianças façam o uso da bicicleta para ir a escola)  e Catete. "O projeto existe, está aprovado, a necessidade é enorme, incentiva jovens ao uso da bicicleta - há nove escolas na região -  com todas as suas vantagens econômicas, ambientais, de mobilidade e de saúde", afirma a bióloga.  

A ideia é ligar o trecho com a ciclovia já existente no Aterro do Flamengo, além do trecho que passa por Laranjeiras ser ligado com a ciclovia que vai pela Rua Pinheiro Machado, ao lado do clube Fluminense. "Próximos projetos, uma vez que este seja executado, serão criar-se ciclo de estrutura para se pedalar no Catete, Glória e se chegar ao Centro. E unir estas ciclovias com as Ciclo Rotas para o Centro, ainda, também,  não executadas", explica Maysa.

O projeto foi apresentado em 2013 para a Secretária Municipal de Meio Ambiente, responsável pelos trechos de ciclovia da cidade. Segundo a assessoria, o projeto para a implantação de ciclovias nos bairros de Laranjeiras e Cosme Velho está concluído, porém ainda não há orçamento disponível, estando previsto que as obras se iniciem em 2015. Maysa explica que o projeto foi idealizado por alunos do colégio Franco Brasileiro e, desde então o CicloviaJá tem trabalhado pela sua conclusão. " Com o passar do tempo temos cada vez mais ciclistas, cada vez mais pessoas que precisam de uma estrutura. Contamos em um só ponto de Laranjeiras 1800 bicicletas. Isso ainda é um número subestimado, porque próximo a Pinheiro Machado já contamos aproximadamente 4 mil bicicletas".

Considerada em 2013 a “Cidade das Bicicletas”, o Rio de Janeiro tem hoje 378 quilômetros de ciclovia e pretende aumentar a extensão para 450 quilômetros até 2016, ano das olimpíadas. No entanto, os usuários do transporte têm críticas ao que é falado e ao que tem sido feito na cidade. "Falta juntar o discurso a prática, eu vejo isso. Há um potencial muito grande para o uso da bicicleta,  como por exemplo, o desafogamento do transporte público, se houvesse essa possibilidade. Tem gente que tem medo e é justificável. As estruturas ainda não são adequadas para quem quer pedalar pela cidade", critica Maysa.

Durante a entrevista com Maysa para esta reportagem, na segunda-feira (4), um ciclista foi atropelado por um ônibus no bairro do Catete. Testemunhado pela bióloga, o fato é uma mostra da necessidade de uma estrutura que supra a necessidade de quem anda de bicicleta pela cidade.

Segundo a assessoria da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, em 2013, nos quatro grandes hospitais municipais de emergência (Souza Aguiar, Miguel Couto, Salgado Filho, Lourenço Jorge), foram atendidos 17.690 pacientes vítimas de acidentes de trânsito. Desses, 1.479 resultavam de acidentes envolvendo ciclistas, incluindo quedas, atropelamentos, entre outras situações.

Os dados envolvendo os atropelamentos de ciclistas só começaram a ser registrados no ano passado, porque, segundo a assessoria, eles "são destacados e tabulados conforme interesse técnico epidemiológico. Até então não havia demanda para esses dados especificamente". 

* do programa de estágio do JB

Tags: bicicletas, ciclovia, cidade, Laranjeiras, Rio de Janeiro

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.