Jornal do Brasil

Sábado, 20 de Setembro de 2014

Rio

Operação contra milícia na Zona Oeste do Rio tem 21 presos

Quadrilha faturava mais de R$ 1 milhão por mês com controle de unidades habitacionais

Jornal do Brasil

A Operação Tentáculos, para prender milicianos em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, nesta quinta-feira (7), desarticulou grande parte da maior milícia do Rio, segundo o delegado titular da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco), Alexandre Capote. Segundo ele, o lucro da quadrilha, que extorquia moradores de unidades do programa Minha Casa, Minha Vida, do Governo Federal, era de mais de R$ 1 milhão por mês. 

Vinte e uma pessoas foram presas, sendo 19 dos 27 mandados de prisão expedidos, uma prisão em flagrante e outra por cumprimento de mandado de prisão expedido em 2009. Foram apreendidos seis carros, uma moto, seis pistolas, uma carabina e R$ 7.852 em dinheiro.

De acordo com o delegado, o controle do grupo se estendia a 1.600 unidades habitacionais, atingindo cerca de 5 mil pessoas. A quadrilha obrigava os moradores a pagar por segurança, taxa extra de luz, televisão a cabo clandestina e cestas básicas (vendidas pelo triplo do preço de mercado). Aqueles que se negavam a pagar à quadrilha eram expulsos do condomínio. Os imóveis das pessoas expulsas eram alugados ou vendidos.

“Os síndicos desses condomínios foram cooptados e, a partir dessa cooptação, eles conseguiram extorquir, expulsar e assassinar moradores com o fim de revender esses imóveis conquistados por aquelas pessoas”, disse Capote.

Segundo a polícia, os moradores expulsos continuavam a pagar à Caixa Econômica Federal, mas não podiam voltar para seus apartamentos. Aqueles que tentavam recuperar os pertences deixados no imóvel eram espancados ou até mortos. As pessoas que compravam os apartamentos tomados pela milícia não tinham nenhum documento oficial de propriedade. A Caixa Econômica Federal, responsável pelos financiamentos dos imóveis, não quis comentar o caso.

Confira a lista dos presos:

Presos com mandados expedidos na Operação Tentáculos

- Ademir Horacio de Lima, vulgo Demi, que exercia a função de síndico.

- Adilson Alves Paes, vulgo Velha

- Alexandre Monteiro Tomáz, vulgo Alexandre - Bombeiro Militar

- Alexandre de Rocha Antunes, vulgo Sergio Preto - Policial Civil

- Carlos Roberto S. dos Santos, vulgo Carlos - Policial Militar

- Danilo Cesar da Silva Ferreira, vulgo Indio

- Emerson Santana Gonçaves, vulgo Emerson - Policial Militar

- João Henrique Barreto, vulgo Cachorrão - Policial Militar

- Lenilson de Oliveira, vulgo CL

- *Marcos Jose de Lima Gomes, vulgo Gão - Policial Militar - preso na terça-feira (05/08) pela Divisão de Homicídios

- Marcos Paulo Pereira Barenco, vulgo Barenco - Agente Penitenciário

- Paulo Eduardo Knupp, vulgo Eduardinho - Policial Militar

- Renan dos Santos Barbosa, vulgo Renan

- Roberto Mauro Pereira Batista, vulgo Beto Negão

- Rodrigo dos Anjos Santos, vulgo Gordinho

- Ruan do Nascimento Braga, vulgo Russão - Policial Militar

- *Toni Angelo Souza de Aguiar, vulgo Toni Angelo - custodiado

- Valdemir Menezes Pereira, vulgo Velho - Policial Militar

- Wilson Rocha, vulgo Leandrão

 

Preso em flagrante

- Plinio da Silva Alves - porte de arma e participação na quadrilha

 

Preso sem relação com a Operação Tentáculos

- Adilson Roque dos Anjos - mandado expedido em 2009

 

Tags: campo grande, delegado, milicianos, minha casa, prisões

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.