Jornal do Brasil

Quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

Rio

'Época': Justiça bloqueia bens de Bethlem, da ex-mulher e da ONG Tesloo

Também foi determinada a queba de sigilo bancário

Jornal do Brasil

A revista 'Época' informa nesta segunda-feira que a 3ª Vara da Fazenda Pública do Rio de Janeiro bloqueou os bens do deputado federal Rodrigo Bethlem (PMDB), da ex-mulher dele, Vanessa Felippe, da ONG Casa Espírita Tesloo e do ex-presidente da entidade, o major reformado da Polícia Militar Sérgio Pereira de Magalhães Junior. A Justiça também determinou a quebra de sigilos bancário e fiscal dos quatro.

Segundo a publicação, o pedido de bloqueio de bens e quebra de sigilo foi feito pela promotora Gláucia Santana, da 5ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva da Cidadania. A determinação do bloqueio é da juíza Alessandra Cristina Tufvesson Peixoto. Gláucia Santana investiga suspeita de desvios de dinheiro nos contratos entre a ONG Tesloo e a Secretaria Municipal de Assistência Social. Na época da assinatura de parte dos contratos, em 2011, Bethlem comandava a secretaria.

No último dia 25, a revista 'Época' revelou o áudio de uma conversa gravada por Vanessa em novembro de 2011, na qual Bethlem admite que recebia R$ 70 mil mensais por meio de um contrato com a Tesloo, assinado para cadastrar famílias de baixa renda que seriam beneficiadas pelo Programa Bolsa Família. Segundo as próprias palavras, Bethlem embolsava propina da ONG. Ele também afirmou que ainda ganhava R$ 15 mil por mês com o fornecimento de lanche às ONGs, mas não deu maiores detalhes que pudessem identificar a qual contrato se referia.

De acordo com a revista, na ação em que pediu o bloqueio de bens, a promotora Gláucia Santana informou à Justiça que rastreia o destino de ao menos R$ 17 milhões repassados à ONG Tesloo por meio de contratos assinados na gestão Bethlem. Os repasses da Prefeitura, desde 2005, podem chegar a R$ 80 milhões. Além do cadastro de famílias de baixa renda, a Tesloo cuidava da assistência a usuários de crack.

A Promotoria de Justiça também investiga se a pensão alimentícia de Vanessa, filha do presidente da Câmara Municipal do Rio, Jorge Felippe (PMDB), foi paga com propina da ONG. Por essa razão, os bens de Vanessa também foram bloqueados. Vanessa entregou à reportagem de Época a gravação da conversa que manteve com Bethlem. Ela também apresentou vídeos nos quais aparece recebendo R$ 20 mil mensais em dinheiro vivo. Os envelopes com dinheiro eram entregues a um funcionário parlamentar de Bethlem. 

>> Bethlem: relatório de vereador cita contratos com outra ONG e secretarias

>> Pezão elogia Bethlem: 'Te conheço muito. Com certeza quero estar do seu lado'

>> RJ: vereador articula ação contra aliado de Paes denunciado

>> Bethlem, Paes, ONG e reeleição

>> Eduardo Paes convoca coletiva para comentar denúncias contra Bethlem

>> Bethlem nega acusações feitas pela ex-mulher

>> Época: homem de confiança de Cabral e Paes mantém conta na Suíça

>> Em nova gravação, Bethlem diz que foi 'muito útil a rei do ônibus'

No dia 15 de julho do ano passado o Jornal do Brasil publicou uma reportagem com o título: "Segurança pública atua em eventos privados da elite". Tinha sido um final de semana marcado pelo casamento de Beatriz Barata, neta do megaempresário dos transportes no Rio de Janeiro, Jacob Barata. Após uma manifestação absolutamente pacífica em frente ao Hotel Copacabana Palace, onde ocorria a festa, o vandalismo de algum convidado, que jogou um cinzeiro em direção ao público, custou a um manifestante um profundo corte na cabeça.

>> VEJA A MATÉRIA

Tags: deputado, desvios, PMDB, prefeitura, recursos

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.