Jornal do Brasil

Sexta-feira, 19 de Dezembro de 2014

Rio

Denúncias contra Bethlem: Corregedoria da Câmara avalia pedido de investigação

Vereadores vão propor CPI e pedir intervenção da Procuradoria-Geral da República e da PF

Jornal do BrasilCláudia Freitas

Os vereadores da oposição no Rio de Janeiro - Eliomar Coelho (Psol), Jefferson Moura (Psol), Leonel Brizola Neto (PDT), Marcio Garcia (PR), Paulo Pinheiro (Psol), Reimont (PT), Renato Cinco (Psol) e Teresa Bergher (PSDB) - decidiram em uma reunião nesta terça-feira (29/7) que vão propor a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para analisar a aplicação dos recursos do Fundo Municipal de Assistência Social, além de apelar para a Procuradoria-Geral da República e a Superintendência da Polícia Federal para investigar as denúncias feitas contra o deputado federal Rodrigo Bethlem (PMDB), que também já ocupou os cargos de secretário de Ordem Pública, Assistência Social e Governo do prefeito Eduardo Paes (PMDB). 

Partido Popular Socialista (PPS) anunciou também nesta terça-feira (29) que acionou a Corregedoria Geral da Câmara dos Deputados para investigar o caso. Rodrigo Bethlem é acusado de envolvimento em esquema de corrupção na época que ele ocupava o cargo de secretário de Desenvolvimento Social na prefeitura do Rio. A ex-mulher do deputado, Vanessa Felippe, entregou à Revista Época gravações que ela afirma ser de conversas com Bethlem. O deputado assume no diálogo ter recebido uma espécie de mesada da ONG Casa Espírito Tesloo, entre 2011 e 2012, além de receber cerca de R$ 100 mil mensais em propinas e possuir conta não declarada na Suíça.  

A Corregedoria da Câmara dos Deputados afirmou que vai analisar o pedido do PPS. A mesa diretora se chegar à conclusão de que houve decoro parlamentar, vai encaminhar o caso para o Conselho de Ética. "Apesar de afastado para ser secretário, a jurisprudência prevê que ele pode ser alvo de investigação porque, mesmo licenciado, está sob o Código de Ética", explicou o deputado Chico Alencar (Psol-RJ).

Vereadores se reuniram no Rio para discutir os primeiros passos para a instalação de uma CPI
Vereadores se reuniram no Rio para discutir os primeiros passos para a instalação de uma CPI

Os vereadores de oposição na Câmara do Rio, além da instalação da CPI, querem levar o caso à Procuradoria Geral da República, para investigar os agentes que tiveram participação no suposto esquema e garantir o ressarcimento dos recursos públicos desviados, assim como identificar a participação de eventuais outros beneficiários na suposta ação criminosa. Em nota, a bancada também informou que irá acionar a Superintendência da Polícia Federal do Rio de Janeiro, em razão do suposto crime de evasão de divisas para conta bancária de Bethlem na Suíça.

Leia mais sobre o caso:

>> Em nova gravação, Bethlem diz que foi 'muito útil a rei do ônibus'

>> Pezão elogia Bethlem: 'Te conheço muito. Com certeza quero estar do seu lado'

>> RJ: vereador articula ação contra aliado de Paes denunciado

>> Bethlem, Paes, ONG e reeleição

>> Eduardo Paes convoca coletiva para comentar denúncias contra Bethlem

>> Época: homem de confiança de Cabral e Paes mantém conta na Suíça

>> Bethlem nega acusações feitas pela ex-mulher

A assessoria de imprensa do vereador Eliomar Coelho (Psol-RJ) acrescentou que, com o fim do recesso parlamentar na semana que vem, os vereadores também vão fazer pressão para que o caso seja tratado com total atenção já nas primeiras sessões. 

Os vereadores, ainda de acordo com a assessoria de Coelho, deve recorrer ao Ministério Público Estadual para ter acesso aos resultados da sindicância aberta pela própria prefeitura em fevereiro de 2013, para apurar possíveis fraudes no cadastramento de benefícios sociais feitos pela secretaria de Bethlem. A medida que teve a sua publicação no Diário Oficial do município no dia 22 de fevereiro de 2013 teve os resultados mantidos em sigilo, de acordo com a assessoria de Eliomar Coelho. 

Desde a tarde desta segunda (28) o sistema tecnológico e de internet da Câmara não está funcionando e os vereadores da oposição não puderam iniciar as primeiras medidas para a formação da CPI. Qualquer pedido só poderá ser protocolado com o retorno do recesso. 

As relações reveladas na gravação publicada pela Revista Época 

No dia 15 de julho do ano passado o Jornal do Brasil publicou uma reportagem com o título: "Segurança pública atua em eventos privados da elite". Tinha sido um final de semana marcado pelo casamento de Beatriz Barata, neta do megaempresário dos transportes no Rio de Janeiro, Jacob Barata. Após uma manifestação absolutamente pacífica em frente ao Hotel Copacabana Palace, onde ocorria a festa, o vandalismo de algum convidado, que jogou um cinzeiro em direção ao público, custou a um manifestante um profundo corte na cabeça.

>> VEJA A MATÉRIA

Trechos da NOVA gravação divulgada pela ex-mulher de Bethlem:

Vanessa - Tá, então deixa eu terminar. Por 16 anos, eu investi nisso aqui. O que quer que eu vá fazer agora, você sabe com o que você vai estar me ajudando, se me ajudar? Com dinheiro. Eu te ajudei com dinheiro na campanha? Por várias campanhas, seu maior colaborador, aliás, em quase todas as campanhas praticamente, o seu maior colaborador foi um homem chamado Jacob. Eu te ajudei com dinheiro, Rodrigo. 

Bethlem – Eu construí uma relação com ele, Vanessa? Como eu te apresentei milhares de pessoas. 

Vanessa - Eu não te ajudei com dinheiro, Rodrigo? 

Bethlem- Se você não construiu relação, é outra história. Eu fui muito útil... que ele goste de mim, goste de você, tudo bem. Eu fui muito útil pra esse cara na Câmara. Não foi pouco não, muito. Eu derrubei sessão, eu tirei projeto... 

Vanessa - Rodrigo, é a mesma coisa que estou lhe falando. Tá vendo como é? É igual. 

Bethlem - Não é igual 

Vanessa - É igual, olha aqui, é um pontapé. O que eu estou querendo dizer é o seguinte: você me ajudar com dinheiro?... Eu te ajudei com dinheiro, em todas elas. Fosse através do Jacob, fosse através do meu pai”.

Tags: bethlem, Corrupção, Paes, PMDB, prefeitura, vereadores

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.