Jornal do Brasil

Domingo, 26 de Outubro de 2014

Rio

Começam as eleições da Associação de Moradores da Rocinha

Definição das chapas concorrentes acontece neste sábado

Jornal do Brasil

Pela primeira vez, a Rocinha terá a primeira eleição da Associação de Moradores do Bairro Barcelos (Amabb) sem a interferência do tráfico na comunidade. A eleição, que acontecerá no dia 28 de agosto, conta com o apoio da Federação de Favelas do Estado do Rio de Janeiro (Faferj) para organizar as votações. Seis chapas, que serão definidas neste sábado (26), concorrem à presidência da Associação.

Para Davison Coutinho, membro da Comissão de Moradores da Rocinha, Vidigal e Chácara do Céu e colunista do JB, a nova eleição é uma chance para que os moradores possam renovar as lutas políticas na comunidade. Concorrente pela presidência da Associação de Moradores do Bairro Barcelos, a chapa Inove (I9) conta com a participação de jovens lideranças que já fazem um trabalho social na comunidade com um enfoque na valorização dos nordestinos e descendentes de nordestinos. Segundo Davison, "A Rocinha tem mais de 70% dos moradores de origem nordestina".

Davison afirmou que um dos objetivos da chapa é desenvolver um ponto de encontro e articulação de moradores no prédio da associação. "O projeto principal é devolver para a Rocinha a Associação de Moradores do Bairro Barcelos (Amabb), transformar o local em um lugar para prestar serviços que visem a melhoria da qualidade de vida dos moradores, focando na cultura, educação e saúde".

Para Davison e para os moradores da Rocinha, o Projeto de Aceleração do Crescimento (PAC) é uma preocupação. A primeira fase do programa, que foi marcada por remoções e sem ter as obras finalizadas, previa, entre outros, a construção de um plano inclinado na localidade Roupa Suja, a urbanização do Largo do Boiadeiro, a canalização do valão principal da Rocinha, a criação de um mercado popular que realocaria comerciantes do Largo do Boiadeiro e projetos para levar saneamento básico para diversos pontos do complexo. 

Outro ponto crítico foi a inauguração de uma creche, que foi entregue com quatro anos de atraso e só receberá alunos em 2015. A escola comporta 150 crianças e os pretendentes a uma vaga já avançam a casa dos mil. A segunda fase, contestada pelos moradores, se iniciou ainda com a primeira em andamento e tinha como ponto principal a construção de um teleférico, ignorando as exigências locais como o saneamento básico, o abastecimento de água e a coleta de lixo.

>> Líderes comunitários contestam PAC 2 na Rocinha

>> PAC na Rocinha: líderes comunitários contestam explicações do governo 

Segundo Davison, uma das propostas da chapa é de fiscalizar as obras do PAC 2 e defender os interesses e direitos dos moradores durante as novas obras do programa do governo na comunidade. "Uma das maiores tarefas é de cuidar para que os moradores sejam respeitados nas realocações, já que serão milhares de remoções para as obras do PAC 2, o morador tem que ter o direito de escolher para onde quer ir e tem que ter seu bem avaliado de maneira correta, tendo em vista que quando as obras se inciam, a especulação imobiliária na Rocinha é grande".

Tags: Eleições, faferj, moradores, pac, rocinha

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.